Um homem foi preso na noite de terça-feira (23) após a Polícia Militar (PM) descobrir uma estufa onde ele cultivava 72 pés de maconha em um apartamento do bairro Santa Terezinha, na região da Pampulha, em Belo Horizonte. Na casa ainda foram apreendidos 3 kg de cocaína e alguns documentos falsos. 

Policiais do 13º batalhão da PM, em patrulhamento na região, receberam uma denúncia anônima de que havia uma grande movimentação de pessoas no imóvel, que fica na rua Maria Cecília.

No local, os PMs encontraram a casa fechada, mas pelo muro do vizinho perceberam uma grande estufa com uma plantação de maconha. O cheiro da erva era forte, segundo os militares.

Continua após a publicidade

Os policiais permaneceram nas imediações até a chegada do morador, de 30 anos. A estufa contava com diversos equipamentos, como um aparelho de ar-condicionado, um aparelho eletrônico que controlava a umidade e temperatura da estufa e um exaustor com filtro para dissipar o cheiro das plantas. 

No imóvel, eles apreenderam setenta e duas mudas de maconha já desenvolvidas, uma porção pequena de flor seca da droga, duas sacolas com cerca de 3 kg de um pó branco aparentando ser cocaína, R$ 6.435 em dinheiro, US$ 8 dólares americanos, duas balanças de precisão e duas espadas samurai.

FOTO: PMMG / DIVULGAÇÃO
pés de maconha
Dinheiro, documentos falsos e 3 kg de cocaína foram achados na casa

Além disso, os militares apreenderam uma carteira de identidade e uma de motorista, todas falsas, com os dados de outras pessoas e a foto do morador da casa. A PM também encontrou documentos de um veículo JAC J3 em nome de outra pessoa.

Ainda foram apreendidos um diploma e um histórico escolar falsificados com a logomarca da Universidade Salgado de Oliveira, de bacharel em educação física, em nome de Carlos Augusto. Um detalhe que chamou a atenção dos PMs é a data do diploma, que está adiantada, 16 de março de 2018.

Os documentos escolares falsificados foram envidados do Rio de Janeiro, segundo o preso, por um homem identificado por Ednaldo. Ele disse que recebia três mil reais de cada pessoa que adquiria os certificados falsos.

 

Tráfico

O homem confessou que cultiva maconha há cerca de um ano e que vendia a bucha por sessenta reais para universitários de alto poder aquisitivo.

A cocaína ele informou que guardava para um amigo identificado por “Jhou”, que enviou a droga pelos Correios para ele guardar, antes do amigo viajar para o Paraguai, segundo ele.

Ele confessou, ainda, que o dinheiro apreendido é fruto da negociação da moeda virtual Bitcoin.

Os dólares ele disse que os adquiriu em uma viagem ao Paraguai. Uma das balanças, acrescentou, era usada para pesar drogas.

Quanto aos documentos falsificados, ele contou que pagou R$ 80 pela Carteira de Identidade falsa, na Praça Sete, no centro de Belo Horizonte, assim como a carteira de motorista, que ele adquiriu por R$ 120 porque a dele estava vencida.

O documento do carro, informou, foi deixado pelo proprietário do veículo como garantia de pagamento de uma venda de drogas no valor de R$ 6 mil.

Os PMs trancaram a casa para ser feita a perícia. O preso e o material apreendido foram levados para a Central de Flagrantes (Ceflan) 4, no bairro Alípio de Melo.

O homem deve responder por tráfico de drogas e outros crimes.


Comments are closed.