Comandante atribui a integração e diálogo resultado da Operação Julgamento

O comandante-geral da Brigada Militar do Rio Grande do Sul, coronel Andreis Silvio Dal’Lago, avaliou como exitosa a “Operação Julgamento”, deflagrada para acompanhar a análise do recurso da defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva no Tribunal Regional Federal da 4ª Região. Ele atribui o sucesso à integração entre os órgãos municipais, estaduais e federais e ao diálogo com os movimentos sociais.

“Foi uma operação extremamente exitosa para a democracia brasileira. Tivemos duas questões fundamentais que colaboraram muito para o êxito. A primeira foi a constituição do Gabinete de Gestão Integrada Estadual, onde todos os órgãos da esfera federal, estadual e municipal estavam juntos. Um segundo ponto muito positivo foi a mediação entre os órgãos de segurança e todos os movimentos sociais na semana anterior, onde foi feito um acordo extrajudicial e se estabeleceu em conjunto, em uma negociação tranquila, todo um protocolo, incluindo local de acampamento e deslocamentos.  Destaco que tudo o que foi acordado com os movimentos foi rigorosamente cumprido.”

De acordo com o comandante, 2.200 militares da Brigada Militar e 142 agentes da Força Nacional trabalharam no caso. Também reforçaram a segurança representantes das polícias Federal e Rodoviária Federal, da Agência Brasileira de Inteligência e de outros órgãos.

O comandante destacou que não foi feito nenhum registro relacionado ao julgamento, mas os militares atuaram em um caso: 22 pessoas colocaram fogo em pneus e foram detidas. Segundo o coronel, os envolvidos não tinham ligação com nenhum movimento, nem favorável nem contrário ao ex-presidente.

Questionado sobre os custos da operação, que envolveu uma série de militares de outras cidades, além de aeronaves, cavalaria e embarcações, Dal’Lago respondeu: “a Secretaria de Segurança Pública ainda está trabalhando para levantar todos os custos, mas digo que foi o custo da democracia, da tranquilidade pública, de uma operação complexa, sem ninguém ferido. Acredito que, no que diz respeito a resultado, foi extremamente barato para a sociedade gaúcha. Friso que, no evento de ontem, as forças de segurança e o estado do Rio Grande do Sul deram um exemplo de cidadania e democracia para o Brasil e até para a América Latina neste momento em que vivemos”.

Ao rebater críticas da população, de que em dias normais falta policiamento frente ao que foi visto no julgamento, o coronel disse que a operação foi adequada para a dimensão do fato e que há outras operações paralelas que continuaram no estado. Ele informou que, a partir de hoje, muitos militares retornam aos locais de origem e que até domingo (28), quando será encerrada a operação, todos estarão de volta.

Porto Alegre voltou à normalidade um dia após o julgamento. Os locais onde manifestantes favoráveis e contrários a Lula se reuniram já foram desocupados, e as vias que foram interditadas ontem estão liberadas. O expediente no Tribunal Regional Federal da 4ª Região também voltou hoje ao normal.

Agência Brasil

Assaltantes são detidos após tentativa de furto no Belvedere

Lucas Cândido, do Atlético, celebra retorno aos gramados: ‘Muito feliz em voltar a sonhar com futebol’