Desde janeiro de 2017, o Programa de Controle da Dengue, do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), tem trabalhado diariamente para evitar que Uberlândia sofra uma epidemia das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti. Foram intensificadas as visitas em pontos estratégicos, a residências e a imóveis fechados para aluguel ou venda, bem como ações de bloqueio, recolhimento e descarte de pneus.

O esforço das equipes da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbanístico e a capacitação de profissionais da saúde, educação e agentes comunitários (por meio do seminário Juntos contra o Aedes) também foram de extrema importância. Um conjunto de ações que resultou na queda de 82% dos casos confirmados de dengue e 89% de zika vírus.

Continua após a publicidade

O reflexo dessa iniciativa permanente também foi sentido logo no início de 2018. De acordo com o Boletim Epidemiológico de Monitoramento de Casos, até a segunda semana de janeiro, foram 45 casos notificados de dengue – uma queda de 49% em comparação com o mesmo período de 2017, que já apresentava redução em relação à 2016.

Parceria importante

A fim de reforçar as medidas de prevenção e fazer com que toda a comunidade se torne multiplicadora das ações, a Prefeitura de Uberlândia lançou no dia 12 de janeiro a campanha de mobilização de combate ao mosquito Aedes aegypti: a hora de agir é agora. O prefeito Odelmo Leão se reuniu com representantes de instituições, associações e empresários, além de profissionais da imprensa, saúde e educação, apresentando números e estratégias para intensificar as ações realizadas pelo Município.

E para fazer com que trabalho seja realizado de uma forma ainda mais assertiva, o Programa de Controle da Dengue utiliza a metodologia do Levantamento Rápido do Índice de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa). A primeirapesquisa do ano apontou 6,7% de infestação, conforme explica o coordenador do Programa de Controle da Dengue, José Humberto Arruda. “O índice é um termômetro para as nossas próximas iniciativas, mostrando onde devemos concentrar nossos esforços e conscientizar ainda mais a população sobre a eliminação dos criadouros, uma vez que a pesquisa apontou maior predominância dentro das casas”, explicou.

Resultado

Os agentes da CCZ visitaram todos os bairros de Uberlândia entre os dias 8 e 12 de janeiro. Ao todo, foram vistoriados 12.392 imóveis. A maior incidência dos focos estava nos domicílios, representando 81%. Dos criadouros encontrados nas residências, 96% estavam nos quintais.

A pesquisa também apontou quais são os principais criadouros do transmissor da dengue, chikungunya, zika vírus e febre amarela. Desta vez, o destaque fica por conta dos pneus, com predominância de 8%, seguido dos pratos de plantas (6,6%), das vasilhas plásticas (6,6%), lonas (5,8%) e dos baldes (5,6%).

Em relação aos locais, os bairros Patrimônio, São José, Jardim Célia e Fundinho apresentaram maiores índices de criadouros do mosquito. Nestes locais, os agentes do CCZ já iniciaram as ações a fim diminuir os criadouros, como a retirada de materiais que acumulam água, tratamento com larvicida e orientação à comunidade.

Programa Mutirão Cidade Limpa

Com o resultado em mãos, o Programa de Controle da Dengue poderá direcionar de forma precisa as ações para o combate ao transmissor no município. Como reforço, a Prefeitura inicia o Programa Mutirão Cidade Limpa, a partir do dia 29 de janeiro, em cinco bairros da zona leste.

O programa reúne as secretarias municipais de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbanístico, Saúde, Obras, Trânsito e Transporte, além do Departamento Municipal de Água e Esgoto (Dmae), em prol de uma Uberlândia melhor, mais limpa, organizada e longe das doenças transmitidas pelo Aedes. O programa vai percorrer toda a cidade realizando serviços de capina e roçagem de canteiros centrais, além da limpeza de terrenos, lotes e bueiros. O Cata-treco passará recolhendo materiais que não têm mais utilidades aos moradores, mas que podem servir de criadouros para o mosquito.

Com maior predominância na pesquisa, os pneus também entrarão nas ações do Mutirão. Haverá recolhimento destes objetos, além de orientações dos agentes do CCZ sobre a maneira correta de destinação. Atualmente, o Programa de Controle de Zoonoses percorre semanalmente as 552 borracharias cadastradas fazendo o recolhimento. Só no ano passado, foram coletados 252.591 pneus.

Segundo o coordenador do Programa do Controle da Dengue, José Humberto Arruda, o combate ao mosquito não pode parar e, por isso, precisa do envolvimento de toda a comunidade. “Precisamos nos mobilizar, para que cada um faça a sua parte. É hora de unir forças e redobrar a atenção em tudo que possa acumular água parada. Evitar proliferação do mosquito depende de cada um de nós”, reforçou.

1ª pesquisa do LIRAa 2018

Criadouros encontrados em domicílios

– Quintal – 96%
– Intradomiciliar – 4%

Depósitos predominantes (5 maiores):

– Pneus – 8,0%
– Prato de planta – 6,6%
– Vasilha Plástica – 6,6%
– Lonas – 5,8%
– Baldes – 5,6%

Localização

– Domicílios – 81%
– Terrenos baldios – 7%
– Comércios – 6%
– Outros tipos imóveis – 6%

Secom


Comments are closed.