Em uma série de áudios feita por detentos da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, aos quais a reportagem de O TEMPO teve acesso na manhã deste domingo (28), os presos denunciam que a unidade prisional continua sem água e que muitos detentos estariam passando mal. Em dos áudios, um deles pede socorro para as autoridades e diz que, se algo não for feito, eles farão um motim na penitenciária. Na manhã do último sábado (27), oito presos de alta periculosidade fugiram da Nelson Hungria por um buraco feito na parede de uma das celas.

“Eu não estou aguentando não, seu eu ficar até meio dia sem água, vou ter que pedir enfermaria, que eu não estou bem. Há dois dias sem tomar água, não tem uma gota pra gente beber. Até com medo de urinar eu estou para não secar a água do corpo (…) tem um monte de preso aqui passando mal”, desabafou um dos detentos em um áudio.

O bagulho aqui está louco, essa cadeia vai virar. A gente está trocando uma ideia com o pessoal aqui para não virar essa cadeia, mas vai acabar virando. Já tem um monte de preso passando mal, um monte de preso desmaiado dentro de cela (…) Se ficar mais tempo sem água, nego vai morrer dentro da cela. Pode colocar para o pessoal todo da secretaria, que se não resolver isso até mais tarde, vai ter que tomar a cadeia em horário de visita, antes ou depois. O bagulho vai ‘alombrar’ essa cadeia. A gente não é moleque, é ser humano. A gente está pedindo socorro”, disse outro preso em um áudio.

Continua após a publicidade

Desde o início da manhã deste domingo (28), a reportagem entrou em contato com a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), mas ninguém ainda se pronunciou.

 


Comments are closed.