Pais tranquilos facilitam a adaptação escolar dos filhos

“Meu coração está a mil. Não vou mentir. Eu choro, mesmo sabendo que é para o bem dela e que ela está muito feliz e animada.” O relato é de Blenda Peixoto, 36, mãe da pequena Lara, de 2 anos e 4 meses, mas poderia ser de praticamente todas as mães que têm filhos prestes a estrearem na escola. A cada ano, quando fevereiro chega, muitas famílias vivem essa mistura de ansiedade, preocupação e alegria ao levarem os pequenos para o ambiente escolas pela primeira vez. Para esses, os últimos dias antes do início das aulas podem funcionar como um treinamento para que a mudança seja mais natural e menos sofrida.

“O processo de adaptação envolve toda a família e a escola, com foco no bem-estar da criança. O pequeno tem que estar segura e se sentir acolhido”, ensina a supervisora da educação infantil do colégio Magnum Buritis, Patrícia Bevilaqua. Para isso, ela recomenda que os pais envolvam a criança nos preparativos, mostrando a mochila e o material escolar, por exemplo, mas não exagerem na dose, para não criar uma ansiedade desnecessária.

Outra dica é fazer do dia um grande acontecimento, para passar segurança e alegria para os pequenos. Levar a criança andando e mostrar confiança na hora de entregá-la para a professora também ajuda muito. A coordenadora da educação infantil do colégio Santa Maria do bairro Coração Eucarístico, Adriana Dornas, explica que, dessa forma, a criança percebe que está em um ambiente acolhedor. “Quanto mais seguros os pais ficarem, mais vão passam segurança para os filhos”, garante.

Tratar o assunto com naturalidade é o que Blenda está tentando fazer. “Lara já brinca com a mochilinha dela e fala que vai ter muitos amigos na escola”, conta. Roberta Castelo Branco, 37, mãe de Sofia, de 1 ano e 10 meses, segue a mesma linha. “Ela já veste o uniforme e fala que vai para a escolinha”, conta. Mesmo assim, a mãe está com o coração apertado. “Estou ansiosa para saber como vai ser”, diz.

Mesmo com todo o preparo, porém, o choro nos primeiros dias é normal. As escolas garantem que, se necessário, chamam os pais para acalmar a criança durante a adaptação. 

 

Sistema imunológico é imaturo

A criança vai para a escola e começa a adoecer muito mais do que quando era cuidada em casa. A percepção dos pais é verdadeira, mas não requer uma preocupação exagerada por parte deles, diz a pediatra da Unimed-BH Marisa Lages Ribeiro. “Quanto mais novo, mais imaturo é o sistema imunológico, mas não quer dizer que vai ser um caos”, afirma a médica.

Ela explica que alguns cuidados podem reduzir o risco de adoecimento da criança, como, por exemplo, uma alimentação balanceada, inclusive na hora do lanche escolar. “O mais indicado é levar uma garrafinha de água, uma fruta e um pão, que pode ser um sanduíche ou um pão de queijo”, diz.

Ela completa que é importante que a criança fique em ambiente ventilado e tome sol em casa e na escola, além de estar com a caderneta da vacinação em dia.

 

Equipes das escolas são reforçadas

Para receber os pequenos, as escolas se preparam. Nos primeiros dias – e até nas primeiras semanas –, o projeto pedagógico fica em segundo plano, até que as crianças se sintam à vontade no ambiente e aptas a desempenhar as atividades.

As equipes também são reforçadas. “Fica todo mundo por conta deles”, diz Adriana Dornas, do colégio Santa Maria do bairro Coração Eucarístico. Além da professora e da auxiliar, professores especializados e coordenadores também ficam nas salas.

Rotina é importante

Sem mudanças. Nos dias que antecedem a entrada na escola, é importante manter a rotina da criança. “A fralda, a mamadeira e a ‘naninha’ podem ir para a escola”, diz a supervisora do Santa Maria do bairro Coração Eucarístico, Adriana Dornas. A supervisora do Magnum Buritis, Patrícia Bevilaqua, diz que as mudanças são introduzidas aos poucos. 

PM prende suspeito de furtar bicicleta de funcionária de supermercado em Capinópolis

1º Seminário Municipal de Educação Física de Capinópolis será realizado no sábado (3)