Adolescentes são suspeitos de espalhar lista com ‘ranking do sexo’

em 12 de janeiro de 2018 7:42:52 PM
0

Uma menina de 16 anos e um rapaz, de 17, estudantes de uma escola estadual de Muzambinho, no Sul de Minas, estão entre os suspeitos de espalhar em redes sociais uma lista intitulada “Top 100 das Put…”, com ofensas a mais de cem mulheres da cidade.

Além de moradores da cidade levantarem a hipótese, o delegado Silvio Sérgio Domingues, responsável pelas investigações do caso, confirmou que os adolescentes estão entre os investigados. “Ela não é a principal suspeita, existem outros, como um menino de 17 anos que provavelmente ajudou nos compartilhamentos, também aluno da escola”, disse.

Publicidade

Nesta sexta-feira (12), um dia após publicar a notícia, não havia outro assunto na cidade de pouco mais de 20 mil habitantes. Uma pedagoga, que pediu para não ser identificada, contou que os moradores estão impressionados e ansiosos para que a polícia chegue aos autores. “Todo mundo comenta aqui que os principais suspeitos são alunos da escola, principalmente uma menina e um menino que são considerados os mais ‘brigões’, mas não sabemos ao certo”, contou.

De acordo com uma comerciante do centro, que também pediu para não ter o nome publicado, ela ficou apreensiva por achar que teria seu nome na “ranking”. “Fiquei com medo, minhas amigas e até as filhas delas estão nesta lista absurda. Acho que é gente conhecida”, revelou.

Entenda

A lista começou a ser espalhada com 70 nomes de mulheres e viralizou no Facebook e no WhastApp. Segundo a Polícia Civil, o “ranking” já tem mais de cem nomes e expõe todas as vítimas como se elas fossem prostitutas. A muitas delas, o autor atribui posições sexuais e julgamentos, como “só tem cara de santa”, “a pior” e “quem nunca”. Em alguns casos, ainda, há informações como nomes dos pais, endereço e até local de trabalho das vítimas. A reportagem não conseguiu contato com a direção da escola onde os suspeitos estudam.

O Tempo


Assista à reportagem sobre a capela construída no meio da mata há 63 anos

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite o comentário
Por favor, digite seu nome