Metrô de BH não tem avanço há 16 anos

O metrô de Belo Horizonte está parado no tempo desde 2002, ano em que as últimas três estações – São Gabriel, Primeiro de Maio e Waldomiro Lobo – foram inauguradas. Desde então, várias promessas de expansão foram feitas, sendo a mais recente em novembro passado, quando o governo federal liberou R$ 157,7 milhões para a ampliação da linha 1. Mas, em vez de crescer, o serviço corre o risco de parar de funcionar, conforme O TEMPO mostrou nesse domingo (4).

A reportagem teve acesso a ofício assinado pelo diretor presidente da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), José Marques de Lima, no qual ele relata o severo corte promovido pelo governo federal no orçamento dos metrôs em 2018 e prepara alternativas. Além de interrupção de serviço de manutenção, conservação e limpeza, ele prevê a restrição do funcionamento apenas para os horários de pico – de segunda a sexta-feira, das 5h30 às 8h30 e das 17h30 às 19h30 – a partir de 5 de março.

“Misericórdia, acaba com a nossa vida. Esperava que o metrô chegasse até Betim (região metropolitana), não que fosse diminuir ou fechar”, disse a comerciante Lígia Bruna Avelino, 30. A verba destinada pelo governo federal para BH foi de R$ 56 milhões, quase metade do enviado em 2017 – R$ 103 milhões. Esse dinheiro só dura até junho, segundo o Sindimetro-BH.

Nesta segunda-feira (5), representantes do sindicato vão a Brasília pedir apoio de parlamentares e cobrar mais recursos do Ministério das Cidades. O deputado federal Laudívio Carvalho (SD/MG) disse que buscará entender a necessidade e pedir mais recursos. “Falta interesse e diálogo entre os governos”, afirmou.

Injustiça

“Se houver redução é injustiça, pois são 210 mil pessoas por dia. Quanto o metrô não vai perder com isso?”
Geraldo Barbosa, 72
aposentado

Necessidade

“Preciso do metrô em horários alternativos. Não sei o que vou fazer se reduzir, dependo do serviço diariamente.”
Roseimeire da Silva, 46
cuidadora de idosos

Posicionamentos sobre a crise

Governo. A assessoria de imprensa da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop) declarou que o metrô é competência da União e que não iria comentar o assunto.

Prefeitura. O município de Belo Horizonte informou que irá se manifestar nesta segunda-feira (5).

União. A reportagem tentou contato com o Ministério das Cidades e a CBTU, mas os assessores não foram localizados.

Relatório. Em um plano de ação de 2017, a CBTU já sinalizava a crise, com queda de 6% na receita e de 1,2% no índice de usuários.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Trecho mais violento de BRs mineiras está na 381

Nas rodovias de Minas, 43 km concentram 1.071 acidentes