Artistas divulgam nota criticando interrupção de show em palco oficial

Embora estivessem na programação oficial do Carnaval de BH, os shows de Marcelo Veronez e do coletivo Família de Rua, que estavam marcados para a madrugada desta terça-feira (12), não aconteceram. Marcados para às 1h e 3h da manhã, respectivamente, as apresentações, que aconteceriam no palco da Rua Guaicurus, na região central da capital, foram interrompidas depois que a Polícia Militar iniciou procedimento para evacuar a região.

De acordo com nota emitida pelo coletivo Família de Rua – que promove, entre outros eventos, o Duelo de MCs há mais de 10 anos -, a PM teria alegado “excesso de contingente no local”. O grupo acusa os policiais de agirem de forma “arbitraria e inconsequente”. A nota ainda diz que a produção do show quis manter a apresentação, mas “a direção da Belotur, empresa pública responsável pela organização do carnaval oficial de BH, não bancou a continuidade do evento e a polícia foi para rua evadir o local”.

No momento da ação, continua o texto publicado na página no Facebook do grupo, “Marcelo Veronez estava no palco fazia uns 15 minutos e o show foi interrompido e o som desligado sem nenhuma comunicação”, assegurando, ainda, que “a rua estava visivelmente confortável, com todo mundo circulando normalmente, sem nenhum sinal de excesso de público”, discorre a nota, que estima que haviam cerca de 5.000 pessoas no local.

O ator e músico Marcelo Veronez também lamentou o ocorrido. Em um post publicado às 3h da manhã de hoje em seu perfil no Facebook, o artista também teceu críticas a atuação da PM. “A polícia fez um cordão na frente do palco. Teve ordem pra desligar no meio da música. Eu podia ter terminado a música. O som (o palco inteiro) foi desligado no meio da música. A música era ‘nunca vi’, do marku ribas”, escreveu ele.

Veronez criticou um suposto tratamento desigual entre o carnaval que acontece na região Centro Sul e o episódio no Centro de BH. Vale dizer, mais cedo, na avenida Olegário Maciel, região Centro Sul, onde desfilou o bloco Garotas Solteiras, a polícia usou viatura e agentes para liberar a via para o trânsito, mas o grupo já havia finalizado o cortejo. Ao final, o artista questiona: “carnaval para quem?”.

Procurada, a PM informou, por telefone, que tem dado cobertura e apoio aos eventos que foram credenciados pela Belotur. A corporação informou também que só intervém em eventos programados sem autorização, caso exista algum pedido da Belotur, ou, ainda, se o evento não estiver dentro dos critérios de segurança.

Até o fechamento da reportagem, a Belotur não se posicionou sobre o fato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Governo vai empregar médicos venezuelanos para que atendam compatriotas

Mesmo após liminar, estado e município não disponibilizam medicamento para tratamento de menino que tem leucemia

Artistas divulgam nota criticando interrupção de show em palco oficial

Embora estivessem na programação oficial do Carnaval de BH, os shows de Marcelo Veronez e do coletivo Família de Rua, que estavam marcados para a madrugada desta terça-feira (12), não aconteceram. Marcados para às 1h e 3h da manhã, respectivamente, as apresentações, que aconteceriam no palco da Rua Guaicurus, na região central da capital, foram interrompidas depois que a Polícia Militar iniciou procedimento para evacuar a região.

De acordo com nota emitida pelo coletivo Família de Rua – que promove, entre outros eventos, o Duelo de MCs há mais de 10 anos -, a PM teria alegado “excesso de contingente no local”. O grupo acusa os policiais de agirem de forma “arbitraria e inconsequente”. A nota ainda diz que a produção do show quis manter a apresentação, mas “a direção da Belotur, empresa pública responsável pela organização do carnaval oficial de BH, não bancou a continuidade do evento e a polícia foi para rua evadir o local”.

No momento da ação, continua o texto publicado na página no Facebook do grupo, “Marcelo Veronez estava no palco fazia uns 15 minutos e o show foi interrompido e o som desligado sem nenhuma comunicação”, assegurando, ainda, que “a rua estava visivelmente confortável, com todo mundo circulando normalmente, sem nenhum sinal de excesso de público”, discorre a nota, que estima que haviam cerca de 5.000 pessoas no local.

O ator e músico Marcelo Veronez também lamentou o ocorrido. Em um post publicado às 3h da manhã de hoje em seu perfil no Facebook, o artista também teceu críticas a atuação da PM. “A polícia fez um cordão na frente do palco. Teve ordem pra desligar no meio da música. Eu podia ter terminado a música. O som (o palco inteiro) foi desligado no meio da música. A música era ‘nunca vi’, do marku ribas”, escreveu ele.

Veronez criticou um suposto tratamento desigual entre o carnaval que acontece na região Centro Sul e o episódio no Centro de BH. Vale dizer, mais cedo, na avenida Olegário Maciel, região Centro Sul, onde desfilou o bloco Garotas Solteiras, a polícia usou viatura e agentes para liberar a via para o trânsito, mas o grupo já havia finalizado o cortejo. Ao final, o artista questiona: “carnaval para quem?”.

Procurada, a PM informou, por telefone, que tem dado cobertura e apoio aos eventos que foram credenciados pela Belotur. A corporação informou também que só intervém em eventos programados sem autorização, caso exista algum pedido da Belotur, ou, ainda, se o evento não estiver dentro dos critérios de segurança.

Até o fechamento da reportagem, a Belotur não se posicionou sobre o fato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Governo vai empregar médicos venezuelanos para que atendam compatriotas

Mesmo após liminar, estado e município não disponibilizam medicamento para tratamento de menino que tem leucemia

Artistas divulgam nota criticando interrupção de show em palco oficial

Embora estivessem na programação oficial do Carnaval de BH, os shows de Marcelo Veronez e do coletivo Família de Rua, que estavam marcados para a madrugada desta terça-feira (12), não aconteceram. Marcados para às 1h e 3h da manhã, respectivamente, as apresentações, que aconteceriam no palco da Rua Guaicurus, na região central da capital, foram interrompidas depois que a Polícia Militar iniciou procedimento para evacuar a região.

De acordo com nota emitida pelo coletivo Família de Rua – que promove, entre outros eventos, o Duelo de MCs há mais de 10 anos -, a PM teria alegado “excesso de contingente no local”. O grupo acusa os policiais de agirem de forma “arbitraria e inconsequente”. A nota ainda diz que a produção do show quis manter a apresentação, mas “a direção da Belotur, empresa pública responsável pela organização do carnaval oficial de BH, não bancou a continuidade do evento e a polícia foi para rua evadir o local”.

No momento da ação, continua o texto publicado na página no Facebook do grupo, “Marcelo Veronez estava no palco fazia uns 15 minutos e o show foi interrompido e o som desligado sem nenhuma comunicação”, assegurando, ainda, que “a rua estava visivelmente confortável, com todo mundo circulando normalmente, sem nenhum sinal de excesso de público”, discorre a nota, que estima que haviam cerca de 5.000 pessoas no local.

O ator e músico Marcelo Veronez também lamentou o ocorrido. Em um post publicado às 3h da manhã de hoje em seu perfil no Facebook, o artista também teceu críticas a atuação da PM. “A polícia fez um cordão na frente do palco. Teve ordem pra desligar no meio da música. Eu podia ter terminado a música. O som (o palco inteiro) foi desligado no meio da música. A música era ‘nunca vi’, do marku ribas”, escreveu ele.

Veronez criticou um suposto tratamento desigual entre o carnaval que acontece na região Centro Sul e o episódio no Centro de BH. Vale dizer, mais cedo, na avenida Olegário Maciel, região Centro Sul, onde desfilou o bloco Garotas Solteiras, a polícia usou viatura e agentes para liberar a via para o trânsito, mas o grupo já havia finalizado o cortejo. Ao final, o artista questiona: “carnaval para quem?”.

Procurada, a PM informou, por telefone, que tem dado cobertura e apoio aos eventos que foram credenciados pela Belotur. A corporação informou também que só intervém em eventos programados sem autorização, caso exista algum pedido da Belotur, ou, ainda, se o evento não estiver dentro dos critérios de segurança.

Até o fechamento da reportagem, a Belotur não se posicionou sobre o fato.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Governo vai empregar médicos venezuelanos para que atendam compatriotas

Mesmo após liminar, estado e município não disponibilizam medicamento para tratamento de menino que tem leucemia