Escritório de advocacia é apontado como cabeça em esquema de corrupção

Foto: Arquivo / TV Vitoriosa

Durante o ano de 2017 o Gaeco – Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado, deflagrou a Operação Isonomia e apontou escritório de advocacia de Uberlândia como “cabeça” em um esquema de corrupção.

A operação foi deflagrada em maio do ano passado. Na época foram cumpridos mandados de busca e apreensão em Uberlândia, Abadia dos Dourados, Canápolis, Carmo do Paranaíba, Patrocínio, Perdizes e Presidente Olegário. A investigação do Gaeco desmantelou a ação que dispensava licitações com o intuito de trazer vantagens aos escritórios de Uberlândia.

De acordo com o promotor, o escritório Ribeiro e Silva seria o cabeça do esquema. Além de corrupção de tráfico de influência, a chamada organização criminosa ainda lavava dinheiro. Para o Ministério Público o chefe da operação seria o sócio fundador do escritório de advocacia, conforme informa em reportagem o promotor Adriano Bozola.

A justiça de Uberlândia definiu que o processo fosse encaminhado para Belo Horizonte, por conta do prefeito de Perdizes, Fernando Maragoni, que foi preso em flagrante recebendo R$ 20 mil de propina e teria foro privilegiado. Mas em agosto de 2017 o desembargador do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG) decidiu que o processo fosse julgado em Uberlândia. No entendimento da justiça, Fernando Maragoni foi apenas citado e não denunciado e por isso não teria o foro privilegiado e o processo foi remedido de volta para Uberlândia. O processo está na segunda vara criminal.

Leia também

Na ALMG, deputado Arnaldo Silva questiona atuação do Gaeco de Uberlândia

Kátia Medeiros

Escola vencedora do carnaval do Rio será conhecida hoje, 14

Bombeiros fazem busca por braço de vítima de acidente com ônibus