Dengue, chikungunya e zika vírus já fizeram mais de 5 mil vítimas neste ano em Minas

O número de casos confirmados e prováveis de dengue, febre chikungunya e zika vírus – epidemias causadas pelo mosquito Aedes aegypti – voltou a crescer em Minas Gerais. Ao todo, a Secretaria de Estado e Saúde (SES/MG), em boletim divulgado nessa segunda-feira, contabiliza 5.609 pacientes com as doenças neste ano.

Em relação ao último informe epidemiológico divulgado em 6 de fevereiro passado, os casos de dengue subiram 52%, saltando de 3.007 para 4.578. O número de mortes em investigação pela enfermidade, no entanto, se manteve em três.
Cinco municípios do estado estão sob alerta por alta incidência de casos prováveis e confirmados de dengue: Visconde do Rio Branco, na Zona da Mata e Janaúba, no Norte de Minas, registram 130 pacientes; Ubá, também na Zona da Mata, lidera a lista com 203 casos; Timóteo e Coronel Fabriciano, no Vale do Rio Doce, fecham a lista com 147 e 179 casos, respectivamente.
No ano passado, 15 mortes por dengue foram confirmadas, de acordo com a SES/MG. Na Região Central, cinco municípios tiveram casos: Capim Branco, Curvelo, Ibirité, Pedro Leopoldo e Ribeirão das Neves.

Chikungunya

A febre chikungunya foi a que registrou menor índice de alta dentre as três doenças. Os casos confirmados e suspeitos subiram 33%, passando de 734 para 977. De acordo com a Secretaria de Estado e Saúde (SES/MG), nenhuma morte foi registrada pela doença em Minas Gerais neste ano.

Duas cidades do estado registraram alta incidência de casos. Assim como nos dados sobre a dengue, Timóteo e Coronel Fabriciano são os protagonistas das ocorrências de chikungunya contabilizando, juntas, 532 casos da doença.

Em 2017, 13 pessoas morreram de chikungunya – só em Governador Valadares, no Rio Doce, foram 10 mortes; as outras foram em Central de Minas, Ipatinga e Teófilo Otoni. A média das idades foi de 75,7 anos, e 12 pessoas tinham mais de 65 anos.

Zika vírus

O zika vírus, por sua vez, registrou a maior alta entre as três doenças. Em um salto de 68%, os números subiram de 32 para 54. Destes, 17 são gestantes e há confirmação para uma grávida. Não há nenhuma morte em decorrência da doença no estado.
Neste ano, segundo a SES/MG, 22 cidades notificaram o estado de casos prováveis e confirmados da doença. Montes Claros com 5, Timóteo com 4 e Belo Horizonte com 3 gestantes, foram destacadas pela pasta devido à alta incidência de casos.  No ano passado, 748 casos foram registrados. Das 136 grávidas que estavam entre os casos prováveis, 74 receberam o diagnóstico confirmando a doença, que pode provocar malformação do cérebro.
Fonte: Estado de Minas

Tia da menina morta no RJ quer que irmã e padrasto ‘sofram na cadeia’

Cinco pessoas foram atropeladas em Uberlândia; irmãos de 6 e 25 anos morrem