PM prende braço direito de chefe da maior facção criminosa de Betim

A Polícia Militar (PM) prendeu na madrugada desta terça-feira (20) em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte, o traficante Gutemberg Rodrigues de Araújo, conhecido como Guto, ou Guta, de 24 anos. Ele é apontado como braço direito de Felipe Souza da Cruz, o Jiraya, de 29, apontado pela polícia como o chefe da maior facção criminosa da cidade. Com a prisão de Gutemberg, a polícia espera chegar a Jiraya, que fugiu no mês passado da Penitenciária Nelson Hungria, em Contagem, com mais sete presos.

O apelido de Jiraya é porque ele usava uma espada para torturar seus inimigos e por tocar o terror na região do bairro Citrolândia, em Betim. Segundo a polícia, ele adquiria drogas diretamente da organização criminosa paulista Primeiro Comando da Capital (PCC).

Gutemberg foi preso por volta de 1h30 de hoje, no bairro Alto Boa Vista, região do Citrolândia. Com ele, também foram presos Rudiere da Silva Villalobos, conhecido como Chileno, de 22, e Michael Jackson Nunes de Souza Rodrigues, de 30.

Há algumas semanas, policiais militares do Tático Móvel do 33º Batalhão de Betim vinham recebendo denúncias do tráfico intenso de drogas no bairro Alto Boa Vista. Os PMs descobriram que vários homens traficavam drogas na rua Frei Geraldo e que cada traficante tinha uma função definida, como fazer segurança armada, olheiro, que é o encarregado de monitor via rádio a presença de viaturas da polícia, e também tinha quem trabalhava na “pista”, comercializando drogas. “Como é de conhecimento de todos, Gutemberg é braço direito de Jiraya e era quem articulava toda a movimentação do tráfico no local”, informou a PM.

Gutemberg foi preso com uma pistola Glock G17, calibre 9mm, carregada com 14 cartuchos intactos do mesmo calibre. Na cintura dele, os PMs encontraram um porta carregador duplo com dois carregadores alongados e municiados com vinte cartuchos intactos, também 9mm. Gutemberg estava com quatro mandados de prisão em aberto, todos por tráfico de drogas.

A PM apreendeu com Rudiere uma pochete com 12 porções de crack, duas de cocaína, dez porções de maconha e seis de haxixe, além de R$ 80, US$ 4, e três recebidos de depósitos bancários de quantia vultuosa, valor não divulgado pela PM, e também um rádio de comunicação.
Com o terceiro preso, Michael Jackson, forem encontrados mais um rádio de comunicação, R$ 195, um celular e três folhas de cheque em branco.

De acordo com o delegado regional de Betim, Álvaro Homero Huertas, o traficante Gutemberg, é tão perigoso quanto Jiraya. “São investigados tanto por homicídio, como roubos e porte de armas. Gutemberg era o ultimo da quadrilha que estava solto. Se Jiraya não tivesse fugido, toda a quadrilha já estaria presa”, disse o delegado. “Jiraya tem passagens por trafico de drogas, homicídios, organização criminosa, entre outros crimes. Gutemberg, por ser o braço direito dele, tem passagens muito parecidas. Tem por roubo, homicídio em contagem, homicídio em Betim, e está na investigação de organização criminosa em Betim”, disse o delegado.

Segundo o policial, o tráfico de drogas em Betim vinha sendo comandado por Jiraya há muitos anos, mas ele é um bandido difícil de ser preso. “Foi uma certa dificuldade prendê-lo, demorou um certo tempo. A expectativa é que ele possa ser preso novamente o mais breve possível, antes que volte a atuar na região de Betim. Ele tem uma estratégia de fuga e a dificuldade de prendê-lo é muito grande.

Ele tem vários mandados de prisão”, reforça o delegado. Gutemberg e outros dois presos estão recolhidos no Ceresp de Betim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Cinco pessoas foram atropeladas em Uberlândia; irmãos de 6 e 25 anos morrem

‘ToMessi’ Andrade? Argentino ri de memes, se ‘derrete’ pela torcida do Atlético e prega cautela: ‘Foram oito minutos e só isso’