Longe da crise, cidade paga até faculdade para moradores

Na contramão da crise, em Serra da Saudade, no Alto Paranaíba, o município menos populoso do país, sobra dinheiro para fazer o que, na maioria dos lugares, as pessoas têm que tirar do próprio bolso para colocar em prática. Na cidade onde todo rosto desconhecido atrai olhares desconfiados, afinal, todo mundo se conhece, a prefeitura paga exame particular que a rede pública de saúde não cobre e custeia parte da faculdade dos moradores. O Wi-Fi é de graça nas três praças locais, e a academia, completa, também. Quem vive lá garante que não existe lugar melhor no mundo.

Apesar de ter um território maior que o de Belo Horizonte, Serra da Saudade possui 812 moradores, o correspondente a 0,03% do total da capital, conforme estimativa do IBGE de 2017. Ser tão pequena favorece a cidade na arrecadação per capita dos recursos do Fundo de Participação dos Municípios (FPM), distribuído conforme o número de habitantes – no ano passado, o município recebeu R$ 6,7 milhões, o que totaliza R$ 8.316 por habitante. Para se ter uma ideia, na capital mineira, o valor per capita é de R$ 158. “O FPM é todo empregado no município, sobretudo na saúde e na educação. Nós fazemos de tudo aqui”, afirmou o prefeito Alaor Machado (PP).

A Unidade Básica de Saúde (UBS) de Serra da Saudade tem um médico e funciona de segunda-feira a sexta-feira, mas a prefeitura garante que não deixa ninguém desassistido. “Nos horários descobertos, temos um plantonista que leva os pacientes para as cidades vizinhas. As consultas especializadas são encaminhadas e, quando são particulares, o município geralmente paga”, disse o secretário municipal de Saúde, Amarildo Fernandes. A unidade também faz distribuição de medicamentos.

Educação. A cidade tem duas escolas municipais, que atendem alunos do nível infantil ao fundamental, e cede espaço para uma escola estadual, de ensino médio. Todas oferecem duas refeições por dia aos estudantes. “Desde 2011, nosso índice de evasão é zero. A cidade pequena favorece o controle, os professores visitam os alunos, conhecem a história de cada um. Quando alguém falta três vezes, a gente procura a família para saber o que aconteceu”, disse o secretário municipal de Educação, Ivan de Oliveira.

Como ocorre em outras cidades, os alunos da área rural têm acesso a transporte para ir e voltar da escola, mas a Prefeitura de Serra da Saudade fornece também condução para quem faz faculdade em Luz e em Bom Despacho, no Centro-Oeste mineiro. Mais do que isso, o município arca com metade dos custos do ensino superior de moradores que estudam a distância, por meio de parceria com instituições privadas. “Cerca de 80% de nossos professores foram formados no ensino a distância que nós financiamos”, disse o secretário.

Odilon Costa, 92, completou 18 anos vivendo na cidade e, desde então, nunca mais a deixou. Ele gosta da tranquilidade de observar o movimento sentado no banco de casa, com as janelas abertas, sem medo. “É um lugar bom para se viver”, afirmou. A estudante Isabela Machado, 24, trabalha em um dos poucos comércios da cidade e não pensa em abandonar Serra da Saudade tão cedo: “Eu gosto do sossego”.

 

Jovens vão embora atrás de emprego

Nem tudo são flores em Serra da Saudade, que sofre com o desemprego e vê os jovens irem embora em busca de oportunidade profissional. Assim, a população envelhece e, em vez de crescer, encolhe a cada ano – em 2000, eram 873 habitantes.

“O emprego é na prefeitura ou na área rural, mas todo mundo quer ficar na cidade”, afirmou o prefeito Alaor Machado, acrescentando que a prefeitura emprega 300 pessoas. Comércios são poucos. Nem farmácia ou posto de gasolina a cidade tem. “É difícil vir uma indústria para cá. Não tem muito atrativo”, completou ele.

A população ocupada de Serra da Saudade soma 29%, segundo números do IBGE em 2015 – na capital, o índice é de 55,4%. O estudante Pedro Henrique, 18, começou a faculdade de veterinária e pretende deixar Serra da Saudade. “Não tenho perspectiva nenhuma de formar carreira aqui”, disse.

Saiba mais

Segurança. No pelotão de Serra da Saudade, um militar disse que o último homicídio na cidade ocorreu há quase 50 anos. As ocorrências são raras, e os moradores são orientados a anotar a placa de carros desconhecidos.

Mais. Além de academia e de Wi-Fi liberados, a prefeitura oferece aos moradores, todos os anos, uma ceia caprichada de Natal na praça.

Prefeito de Betim, Vittorio Medioli anuncia mutirão de limpeza

Diretoria Regional da SEDESE participa de mais duas etapas do programa qualifica suas em Minas Gerais