Governo se reúne com servidores em greve do sistema prisional

Servidores do sistema prisional e socioeducativo do Estado se reúnem, nesta manhã, na Cidade Administrativa, com representantes das secretarias de Planejamento e Segurança, em busca de um acordo entre as partes para por fim a greve iniciada pela categoria nesta segunda-feira (26). Entre as exigências, a categoria pede o cumprimento de um acordo, que teria sido firmado, em 2015, de equiparação do vencimento base dos trabalhadores com o de áreas correlatas da segurança pública do Estado, como servidores administrativos das policias Militar e Civil.

De acordo com Sindicato dos Trabalhadores no Serviço Público do Estado de Minas Gerais (SindPúblicos-MG), a adesão é de técnicos da área administrativa, de assistência e recuperação dos presos, sendo administradores, psicólogos, médicos, pedagogos, advogados e enfermeiros. Segundo o diretor do Sindicato dos Trabalhadores do Serviço Público de Minas Gerais (Sindpúblicos) Geraldo Henrique, a intenção é manter apenas os 30% de funcionamento exigidos por lei na área de saúde.

“Hoje, o salário base do nosso assistente de defesa social é de R$ 1.500, enquanto que o de um militar e um civil da área administrativa ganha R$ 2.440. Já o vencimento do nosso analista de defesa social é de R$ 3.200. Se fosse para equiparar, teríamos que ganhar R$ 4.440. O problema é que exercemos as mesmas funções, que são essenciais para dar suporte a segurança pública em Minas, mas não temos o mesmo reconhecimento pelo governo do Estado”, criticou Hugo Barbosa, diretor do Sindicato dos Servidores Públicos no Estado de Minas Gerais (Sindpúblico).

Ainda segundo o sindicalista, em 2015, o Estado também se comprometeu a enviar um projeto de lei para a Assembleia Legislativa redefinindo alguns pontos da lei orgânica da categoria, o que também não teria sido comprido. “Nosso plano de carreira precisa ser melhor organização”, afirmou Barbosa.

Pela manhã, houve mobilização em frente ao Presídio Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana de Belo Horizonte, segundo o sindicato. A Secretaria de Administração Prisional (Seap), por outro lado, informou que a rotina nos presídios não foram afetados.

Procurada, a Secretaria de Estado de Planejamento (Seplag) informou que irá se posicionar após o termino da reunião. Agentes penitenciários não participam da paralisação.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Homem é preso por pesca ilegal em Capinópolis e Polícia descobre mandado por roubo aberto

Prorrogada em 5 dias a prisão temporária de investigados na Operação Poseidon