Por Paulo Braga

Uma boa notícia animou os trabalhadores do falido Grupo João Lyra nesta segunda-feira (26) de fevereiro. A Massa Falida da Laginha Agro Industrial S/A., está disponibilizando aos credores trabalhistas e respectivos advogados, cadastro para coleta de dados bancários, visando identificar e atualizar as contas dos credores, facilitando o procedimento de recebimento quando do início de pagamento da classe trabalhista.

___ O texto continua após a publicidade ___

Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Capinópolis, Alan Santana, o início dos pagamentos aos credores poderá acontecer ainda neste ano. “A previsão é que haja pagamento aos credores ainda em 2018, mas não há uma data certa”, disse o presidente.

Questionado pelo Tudo Em Dia sobre a possibilidade da Massa Falida da Laginha Agro Industrial S/A., fazer contrapropostas, afim de uma redução nos valores a serem pagos, Alan Santana diz que caberá ao trabalhador aceitar ou não. “Cada trabalhador já tem uma sentença sobre sua ação. O prazo para que a Massa Falida tinha para recurso passou, mas nada impede que se faça uma contraposta, isso não foi definido, mas se acontecer, será algo autorizado pela Justiça e cabe a cada um, juntamente com seu advogado, decidir se aceita alguma proposta”, pontuou o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais.

Os credores deverão acessar o site da massa através do endereço eletrônico: www.grupojl.com.br e clicar na aba “Cadastro de contas”, procedendo a inserção de dados conforme apresentação das telas do sistema.

Os pagamentos serão realizados com base nos créditos devidamente habilitados na “Lista de Credores”, sendo imprescindível que as Certidões de Habilitação de Crédito expedidas pela Justiça do Trabalho, sejam encaminhadas a Massa através do e-mail: [email protected].

Ainda segundo Alan Santana, os advogados que impetraram com as ações tem uma cópia da Certidão de Habilitação de Créditos. Santana ainda ressalta a importância da agilidade na atualização dos dados bancários. “Orientamos que os trabalhadores procurem seus respectivos advogados e cobrem que enviem as certidões por e-mail e que façam o cadastro das contas dos credores no site”, disse  Alan, que completou dizendo que os trabalhadores que permaneceram fichados até o encerramento das atividades das usinas, devem ser os primeiros a receber. “Quem receberá primeiro serão os trabalhadores que estavam ativos (fichados) no período da determinação da falência e depois os demais credores trabalhistas que compõem a classe 1”, finalizou.

Alan Cunha Santana, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Capinópolis

VENDA DE USINAS DO FALIDO GRUPO JOÃO LYRA

As Usina Vale do Paranaíba e Triálcool, instaladas em Capinópolis e Canápolis, respectivamente, foram leiloadas no fim de 2017. A goiana CRV Industrial arrematou a Vale do Paranaíba por R$ 206.358,000,00 (Duzentos e Seis Milhões, Trezentos e Cinquenta e Oito Mil Reais). A Triálcool foi arrematada na 2ª praça do leilão pela Companhia Mineira de Açúcar e Álcool (CMAA) por R$ 133.826.220,00 (Cento e Trinta e Três Milhões, Oitocentos e Vinte e Seis Mil, Duzentos e Vinte Reais).

Leia tudo que foi publicado sobre o caso de falência do Grupo João Lyra pelo Tudo Em Dia.

PublicidadeResponsive image