O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (gaeco) deflagrou, na tarde desta sexta-feira, 2, a 4ª fase da Operação Fênix, que investiga irregularidades cometidas por policiais civis e advogados da região. Desde o final de 2017.

Um mandado de prisão preventiva foi expedido em desfavor do advogado Fabrício Cristino de Souza, que foi preso nesta sexta-feira. Ele é acusado de corrupção, coação no curso do processo e obstrução de justiça.

O promotor Daniel Marotta Martinez explicou que o suspeito cometeu os crimes após a 1ª fase da Operação Fênix, que foi deflagrada no dia 19 de dezembro de 2017.

Continua após a publicidade

Na manhã da última quinta-feira, 1º, o Gaeco já havia conduzido a terceira fase da Operação, na qual o ex-delegado e chefe do 9º Departamento de Polícia Civil de Uberlândia, Samuel Barreto, o investigador Guilherme Ferreira Guimarães e o advogado Rômulo de Oliveira Rezede foram presos. Eles estavam liberdade, mas a justiça expediu novos mandados de prisão preventiva em desfavor dos suspeitos.

Operação Fênix

A operação FÊNIX foi deflagrada pelo Gaeco de Uberlândia no dia 19 de dezembro de 2017 e cumpriu na primeira fase mais de 200 mandados contra policiais civis, incluindo investigadores, escrivães e delegados, além de advogados em Minas Gerais, Mato Grosso e no Paraná.

Os investigados são suspeitos de corrupção ativa e passiva, associação criminosa, tráfico de drogas, roubo, falsidade ideológica, obstrução de Justiça, fraude processual, prevaricação, lavagem de dinheiro, tortura, entre outros.

Saiba Mais

Mega Operação Fênix prende 136 pessoas, entre elas delegados, escrivães e advogados

Ex-delegado, investigador e advogado são presos novamente na Operação Fênix


Comments are closed.