Moradores de área do Shopping Park fazem protesto na Câmara contra reintegração de posse

Fonte: Carlos Vilela/Reprodução TV Vitoriosa

Moradores de uma área do Bairro Shopping Park realizaram um protesto no saguão da Câmara Municipal de Uberlândia, na manhã da última quinta-feira, 1º, no qual questionaram uma ordem de despejo que receberam por parte da justiça e da Prefeitura de Uberlândia.

Alguns moradores conversaram com vereadores para tentar encontrar uma solução para o problema. Cerca de 160 famílias moram no local e precisarão deixá-lo até o próximo dia 16, data em que acontecerá a reintegração de posse. Muitas pessoas já moram no lugar há quase uma década e estão desesperadas, pois afirmam que não têm para onde ir.

Valdemir dos Santos Cardoso, representante dos moradores, disse que todos estão revoltados com a situação, já que não foi oferecido qualquer tipo de ajuda e que muitos desejam comprar os terrenos ocupados para regularizar a situação.

“Somos avaliados, mais ou menos, em 150 a 200 famílias, todas com crianças na escola, e infelizmente, isso pra eles não vale nada. Foi falado na reunião que a gente não quer morar de graça, a gente quer um lugar pra morar, a gente quer pagar, que eles deem uma solução pra gente”, afirmou.

Informações: Carlos Vilela

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Temer entrega ambulâncias do Samu para mais de 200 municípios

Macarrão depende de juiz do Rio para ter novo alvará de soltura

Moradores de área do Shopping Park fazem protesto na Câmara contra reintegração de posse

Fonte: Carlos Vilela/Reprodução TV Vitoriosa

Moradores de uma área do Bairro Shopping Park realizaram um protesto no saguão da Câmara Municipal de Uberlândia, na manhã da última quinta-feira, 1º, no qual questionaram uma ordem de despejo que receberam por parte da justiça e da Prefeitura de Uberlândia.

Alguns moradores conversaram com vereadores para tentar encontrar uma solução para o problema. Cerca de 160 famílias moram no local e precisarão deixá-lo até o próximo dia 16, data em que acontecerá a reintegração de posse. Muitas pessoas já moram no lugar há quase uma década e estão desesperadas, pois afirmam que não têm para onde ir.

Valdemir dos Santos Cardoso, representante dos moradores, disse que todos estão revoltados com a situação, já que não foi oferecido qualquer tipo de ajuda e que muitos desejam comprar os terrenos ocupados para regularizar a situação.

“Somos avaliados, mais ou menos, em 150 a 200 famílias, todas com crianças na escola, e infelizmente, isso pra eles não vale nada. Foi falado na reunião que a gente não quer morar de graça, a gente quer um lugar pra morar, a gente quer pagar, que eles deem uma solução pra gente”, afirmou.

Informações: Carlos Vilela

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Temer entrega ambulâncias do Samu para mais de 200 municípios

Macarrão depende de juiz do Rio para ter novo alvará de soltura