Segunda colocada no Carnaval de BH tenta barrar premiação de campeã

O desfile das escolas de samba do Carnaval 2018 de Belo Horizonte foi parar na Justiça. Isso porque a segunda colocada – Cidade Jardim – tenta barrar a premiação da campeã, Canto da Alvorada, sob alegação de descumprimento de regras para o desfile. O prêmio no valor de R$ 50 mil ficará bloqueado enquanto o caso não for decidido no mérito, ou seja, decisão final em primeira instância.

De acordo com ação, a primeira colocada não poderia desfilar em 2018 porque, segundo edital da Belotur (Empresa Municipal de Turismo), não participou do desfile do grupo especial em 2017, o que era critério da Belotur para participação neste ano. 

“…Percebe-se que a Escola de Samba Canto da Alvorada não participou do desfile do Grupo Especial daquele ano. Logo, a princípio, configura-se irregular a sua habilitação para participar do Desfile deste ano no Grupo A, haja vista a disposição expressa de tal condição no Regulamento editado pela Belotur para tal evento”, afirma o juiz Maurício Leitão Linhares, em trecho da liminar publicada na segunda-feira (5).

O juiz determinou que o valor da premiação seja depositado em juízo em até cinco dias após a notificação. A escola de samba Canto do Alvorada também será incluída na ação em até 72 horas e, posteriormente, poderá apresentar suas alegações.

A reportagem de O Tempo entrou em contato com a Belotur e aguarda retorno. A reportagem não conseguiu, até as 13h, falar com representantes da escola Canto do Alvorada. O desfile das escolas de samba de Belo Horizonte aconteceu no dia 13 de fevereiro, na avenida Afonso Pena. A apuração para escolha da escola campeã ocorreu no último dia 16. No total, sete escolas de samba desfilaram pelo principal grupo. 

STJ julga pedido para evitar prisão de Lula após segunda instância

Sítio na região da Comunidade São Lourenço em Ituiutaba é alvo da ação de criminosos

Segunda colocada no Carnaval de BH tenta barrar premiação de campeã

O desfile das escolas de samba do Carnaval 2018 de Belo Horizonte foi parar na Justiça. Isso porque a segunda colocada – Cidade Jardim – tenta barrar a premiação da campeã, Canto da Alvorada, sob alegação de descumprimento de regras para o desfile. O prêmio no valor de R$ 50 mil ficará bloqueado enquanto o caso não for decidido no mérito, ou seja, decisão final em primeira instância.

De acordo com ação, a primeira colocada não poderia desfilar em 2018 porque, segundo edital da Belotur (Empresa Municipal de Turismo), não participou do desfile do grupo especial em 2017, o que era critério da Belotur para participação neste ano. 

“…Percebe-se que a Escola de Samba Canto da Alvorada não participou do desfile do Grupo Especial daquele ano. Logo, a princípio, configura-se irregular a sua habilitação para participar do Desfile deste ano no Grupo A, haja vista a disposição expressa de tal condição no Regulamento editado pela Belotur para tal evento”, afirma o juiz Maurício Leitão Linhares, em trecho da liminar publicada na segunda-feira (5).

O juiz determinou que o valor da premiação seja depositado em juízo em até cinco dias após a notificação. A escola de samba Canto do Alvorada também será incluída na ação em até 72 horas e, posteriormente, poderá apresentar suas alegações.

A reportagem de O Tempo entrou em contato com a Belotur e aguarda retorno. A reportagem não conseguiu, até as 13h, falar com representantes da escola Canto do Alvorada. O desfile das escolas de samba de Belo Horizonte aconteceu no dia 13 de fevereiro, na avenida Afonso Pena. A apuração para escolha da escola campeã ocorreu no último dia 16. No total, sete escolas de samba desfilaram pelo principal grupo. 

STJ julga pedido para evitar prisão de Lula após segunda instância

Sítio na região da Comunidade São Lourenço em Ituiutaba é alvo da ação de criminosos

Segunda colocada no Carnaval de BH tenta barrar premiação de campeã

O desfile das escolas de samba do Carnaval 2018 de Belo Horizonte foi parar na Justiça. Isso porque a segunda colocada – Cidade Jardim – tenta barrar a premiação da campeã, Canto da Alvorada, sob alegação de descumprimento de regras para o desfile. O prêmio no valor de R$ 50 mil ficará bloqueado enquanto o caso não for decidido no mérito, ou seja, decisão final em primeira instância.

De acordo com ação, a primeira colocada não poderia desfilar em 2018 porque, segundo edital da Belotur (Empresa Municipal de Turismo), não participou do desfile do grupo especial em 2017, o que era critério da Belotur para participação neste ano. 

“…Percebe-se que a Escola de Samba Canto da Alvorada não participou do desfile do Grupo Especial daquele ano. Logo, a princípio, configura-se irregular a sua habilitação para participar do Desfile deste ano no Grupo A, haja vista a disposição expressa de tal condição no Regulamento editado pela Belotur para tal evento”, afirma o juiz Maurício Leitão Linhares, em trecho da liminar publicada na segunda-feira (5).

O juiz determinou que o valor da premiação seja depositado em juízo em até cinco dias após a notificação. A escola de samba Canto do Alvorada também será incluída na ação em até 72 horas e, posteriormente, poderá apresentar suas alegações.

A reportagem de O Tempo entrou em contato com a Belotur e aguarda retorno. A reportagem não conseguiu, até as 13h, falar com representantes da escola Canto do Alvorada. O desfile das escolas de samba de Belo Horizonte aconteceu no dia 13 de fevereiro, na avenida Afonso Pena. A apuração para escolha da escola campeã ocorreu no último dia 16. No total, sete escolas de samba desfilaram pelo principal grupo. 

STJ julga pedido para evitar prisão de Lula após segunda instância

Sítio na região da Comunidade São Lourenço em Ituiutaba é alvo da ação de criminosos