Empresários de Capinópolis tem encontro com representantes da CRV Industrial

CAPINÓPOLIS, MINAS GERAIS – Um encontro entre empresários e lideranças com a administração da usina CRV Industrial, marcou a noite da última quinta-feira (08) de março, em Capinópolis. O encontro, organizado pela Associação Comercial, Industrial e agropecuária de Capinópolis, ocorreu na Câmara Municipal de Capinópolis.

Vários empresários compareceram ao evento, com o objetivo de estreitar os laços com a indústria sucroalcooleira que iniciou as atividades administrativas em Capinópolis em Janeiro deste ano, logo após arrematar a antiga Vale do Paranaíba em leilão.

A CRV Industrial foi representada pelo diretor executivo – Alberto Rodrigues; a superintendente de RH – Marcilene Pereira; Amauri Barros – gerente administrativo/financeiro; Micheli Pereira – coordenadora de RH e Douglas Mendonça – gerente de custos.

Várias lideranças como o prefeito de Capinópolis, Cleidimar Zanotto e vereadores da Câmara de Capinópolis, representaram os Poderes Executivo e Legislativo. O comandante do 5º Pelotão PM de Capinópolis, Daniel Santos, também marcou presença.

Após uma breve apresentação da CRV ao público, os representantes da industrial sucroalcooleira responderam a vários questionamentos.

Em entrevista ao Tudo Em Dia, a superintendente de recursos humanos, Marcilene Cristina Alves Pereira, afirmou que busca atingir a meta de gerar quinhentos empregos diretos em 2018, mas que isso ainda é incerto, pois pode haver atraso no início da produção industrial por falta de terras para plantio.

“Estamos querendo cumpri-la [meta de empregos estabelecida], vai depender se conseguirmos terras para plantio para nossa matéria-prima, que é a cana-de-açúcar. Já contratamos duzentos funcionários, [estamos] em março ainda, então, dependendo do que conseguirmos avançar com o plantio da cana, a gente vai chegar a este número”, disse a superintendente, que completou – “está faltando terra para plantio, hoje, o que se tem é suficiente para moer trezentas mil toneladas de cana, o que é muito pouco para colocar a fábrica em funcionamento em 2019.

Ainda segundo Marcilene, caso não haja aumento no índice de áreas plantadas, a fábrica deve iniciar suas atividades industriais apenas em 2020.

O prefeito Cleidimar Zanotto disse que o histórico de problemas financeiros do antigo Grupo João Lyra, pode ter refletido para a insegurança dos arrendatários de terra.

A empresária Sandra Dantas ressaltou a importância da geração de postos de trabalho para aquecer a economia local.

Fernando Alencar é sócio administrador de uma das maiores empresas do segmento de montagens industriais do Triângulo Mineiro e ressaltou a importância de encontro.

O vereador Edward Sales – Edwardão – salientou a ‘humildade’ dos integrantes do Grupo Japungu, que não exigiram ser chamados de ‘doutores’, ao contrário dos antigos encarregados da Vale do Paranaíba.

FOTOS

De posse de facão, casal assalta posto no Centro de Ituiutaba; veja imagens do crime

Chuva forte não deixa Belo Horizonte e região nem neste fim de semana