O aumento do número de casos de Tuberculose diagnosticados em Ituiutaba preocupa a Secretaria Municipal de Saúde. Em 2017 foram registrados 15 casos da doença no município. Este ano, só nos dois primeiros meses de 2018, já foram confirmados seis novos casos. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS) o número aceitável é o surgimento de 10 novos casos ao ano, para cada 100 mil habitantes. Por isso a Tuberculose já está classificada como endêmica no município de Ituiutaba.

O Brasil ocupa a 16ª posição, entre todos os países do mundo, em número de casos da doença. Anualmente são registrados 70 mil novos casos e confirmadas 4,5 mil mortes em decorrência da Tuberculose. Estes números levaram o Ministério da Saúde a torná-la como uma das prioridades, oferecendo diagnósticos e tratamentos gratuitos pelo Sistema Único da Saúde (SUS).

“Para agilizar o diagnóstico da tuberculose aqui em Ituiutaba, foi intensificado a disponibilização, pela Secretaria Municipal de Saúde, do exame de baciloscopia. O material coletado pode ser entregue em todas as unidades básicas de saúde das Equipes de Saúde da Família e o exame é realizado pelo Laboratório Municipal”, destacou Elias Hércules, secretário municipal de Saúde.

Continua após a publicidade

Formas de transmissão

A tuberculose é uma doença de transmissão aérea e a contaminação acontece quando pessoas com tuberculose ativa lançam no ambiente, ao tossir ou espirrar, partículas contendo o bacilo. Calcula-se que durante um ano, um indivíduo que tenha baciloscopia positiva pode infectar, em média, de 10 a 15 pessoas. Sintomas como febre vespertina, suor em excesso no período noturno, emagrecimento e cansaço em excesso podem também ser sinais de alerta.

“Um dos principais sintomas da tuberculose é a tosse, que pode ser de forma seca ou produtiva, assim pessoas com tosse por três semanas ou mais devem realizar o exame de investigação”, comentou Isabella Cristina Borges, coordenadora do Programa Municipal de Tuberculose.

A principal maneira de prevenir a tuberculose em crianças é com a vacina BCG (Bacillus Calmette-Guérin), oferecida gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).   Outra forma de prevenção, que vem sendo adotada pela equipe do Programa Municipal de Saúde, consiste na avaliação de todas as pessoas que convivem com o paciente em tratamento.

Doença tem cura e o tratamento é gratuito

A tuberculose tem cura e o tratamento, disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS) é gratuito, com duração mínima de seis meses.  Durante o mês de março, as atividades de controle da doença foram intensificadas no Município. Todas as unidades de saúde das Equipes de Saúde da Família e na Unidade Mista de Saúde II estão realizando atividades nas salas de espera, para orientar a população sobre os sinais e sintomas da tuberculose.

Nos mesmos locais também são repassadas orientações sobre a necessidade da realização do exame e para facilitar o acesso aos mesmos, o material coletado pode ser entregue na própria unidade de saúde mais próxima da residência do paciente.

“Através do Programa Municipal de Tuberculose, também estamos disponibilizando a realização do exame de baciloscopia em locais que possuem internos de longa permanência, como abrigos e instituições de correção penal”, esclareceu a coordenadora do Programa Municipal de Tuberculose, Isabella Cristina Borges.


Comments are closed.