Foto: José Cruz/Agência Brasil

O ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse hoje (15) que não está afastada a hipótese de a vereadora Marielle Franco ter sido assassinada por conta de sua atuação política. “Não está afastada a hipótese de que este bárbaro assassinato [tenha sido] motivado por aspectos da sua atuação parlamentar e isso torna esse crime ainda mais horrendo e absurdo”.

Recentemente, Marielle havia assumido a relatoria da comissão da Câmara de Vereadores do Rio responsável por monitorar a intervenção federal na Segurança Pública do estado. Com frequência, ela fazia denúncias contra a violência policial em comunidades.

Continua após a publicidade

Marun disse que ainda não há informações sobre indícios da participação de milicianos no crime. Ele ainda acrescentou que a morte da vereadora é uma prova da necessidade da intervenção federal no estado. “Esse assassinato é prova que se faz necessária a adoção de medidas extremas. A própria intervenção é uma medida extrema para uma situação que nós sabíamos excepcional”.

Impeachment de Barroso

Ele também confirmou que vai pedir o impeachment do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso. Na última terça-feira (13), ele havia adiantado que estudava a possibilidade de se licenciar do cargo para retomar temporariamente seu mandato na Câmara dos Deputados e pedir o impeachment de Barroso no Senado.

Questionado se não seria mais fácil ele delegar a um colega parlamentar a tarefa de entregar o pedido, ele foi categórico ao dizer que faz questão de ir pessoalmente. Para o ministro, este é um “momento histórico”.

“Essa eu levo debaixo do braço. Ou eu apresento ou ninguém apresenta. Você acha que eu vou trabalhar nisso, tomar essa decisão para passar para outro? Esse é um momento histórico. É o momento em que o Congresso diz ‘chega’. Não adianta a gente fazer lei se juiz acha que não precisa obedecer a lei”, disse.

Agência Brasil


Comments are closed.