A Operação Poseidon completa um mês de investigações nesta terça-feira, 20 de março. O esquema que envolve o Dmae e a empresa Araguaia Engenharia, já levou seis investigados para prisão. As investigações apontam um desvio de recursos superior a R$ 8 milhões.

Foram colocados atrás das grades, Daniel Vasconcelos Teodoro, que na época, era presidente da Araguaia Engenharia, o ex-servidor do Dmae, Manoel Calhau Neto e o engenheiro João Paulo Voss. Todos presos na primeira fase da Poseidon.

Depois foram cumpridos mais três mandados e na segunda etapa, David Thomaz, Carlos Henrique Lamounier e Epaminondas Honorato também foram levados para o presídio.

Continua após a publicidade

Os envolvidos foram denunciados por associação criminosa, falsidade ideológica, peculato e lavagem de dinheiro.

O caso chegou ao Ministério Público (MP) depois da denúncia feita pelo vereador Tiago Fernandes por meio de um vídeo que mostrava muita água sendo – literalmente – jogada fora.

As investigações seguem sob o comando do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado – Gaeco.
Milhões de reais desviados e litros e litros de água tratada foram pelo ralo. Agora resta saber se existem outros envolvidos nessa história.

Léo Carvalho

GAECO deflagra Operação Poseidon, que investiga irregularidades entre DMAE e empresa de engenharia

Diretores do DMAE presos na Operação Poseidon são afastados

Vereador tenta instaurar CPI na Câmara Municipal para investigar irregularidades no DMAE

Silésio Miranda fala na tribuna da Câmara sobre ligação dos presos na Poseidon com prefeito Odelmo


Comments are closed.