Hospital identifica bactéria que pode ter matado quatro bebês em Uberaba

O Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro de Uberaba identificou a bactéria que pode ter matado quatro bebês na instituição nessa terça-feira (20). Nesta quarta-feira (21), a assessoria de imprensa da unidade afirmou que resultados de exames realizados a partir de amostras sanguíneas dos recém-nascidos apontaram para a bactéria Enterobacter cloacae multissensível, que não é uma bactéria multirresistente.

Todas as crianças estavam internados na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Neonatal do hospital, que tem 20 leitos, sendo que 18 deles estavam ocupados. O local foi isolado e não receberá novos pacientes por tempo indeterminado.

Segundo o presidente da Sociedade Mineira de Infectologia, Estevão Urbano, a Enterobacter é comum em ambientes hospitalares. “Algumas vezes, ela é prevenível, e, em outras, devido à debilidade da própria pessoa que se infecta, por mais que você tome todas as precauções, ainda sim pode causar infecções”, explicou o médico.

De acordo com o profissional de saúde, existem dois tipos da bactéria: um deles é o multissensível, neste caso, ela é combatida com uso de antibióticos. O outro é a multirresistente, que precisa ser ataca também com outros medicamentos por ser mais forte. No caso do hospital de Uberaba, por meio de nota, a instituição informou que a bactéria que atingiu os bebês é multissensível.

“Muitas vezes essas infecções são graves e precisam de tratamento rápido. Em relação à situação desse hospital, só mesmo as pessoas que trabalham nele poderão avaliar se houve algum descuido em relação ao controle de infecções ou se, na verdade, foi mesmo a consequência de uma dificuldade dos próprios pacientes de lidarem com essas bactérias devido ao estado de saúde”, afirmou Urbano.

Outras vítimas

Ainda em comunicado, o hospital afirmou que outros dois bebês que estão internados na instituição apresentam a bactéria e estão recebendo tratamento. “Ele é basicamente com antibióticos. Se o paciente está muito grave, ele deverá ser mantido na UTI até que os remédios comecem a fazer efeito. Cada caso é um caso, e não existe prazo para que a medicação comece a fazer efeito”, disse Urbano.

O Hospital de Clínicas informou que todas as medidas ligadas à higiene e prevenção de infecções estão sendo tomadas, além de garantir que continua com uma investigação para tentar identificar a fonte da contaminação. A Vigilância Sanitária da cidade também acompanha a situação.

Saiba mais

O que causa:

A bactéria Enterobacter cloacae multissensível pode causar infecções diversas: pulmonares, urinárias e da corrente sanguínea.
Em risco

Pessoas mais propensas à contaminação são os pacientes mais debilitados, que precisam ficar muito tempo internados.

Prevenção

Higienização das mãos dos profissionais de saúde antes e depois de tocarem nos pacientes. Procurar manter pacientes em ambientes livres dessas bactérias. Evitar uso de antibióticos de forma indiscriminada.

Tratamento

Imediato, com o uso de antibióticos sob orientação médica.

Apoio de cidades vizinhas
Com a interdição da UTI Neonatal do Hospital das Clínicas de Uberaba, bebês que precisarem ser internados serão redirecionados para outras unidades de saúde. “O Estado e o município têm o dever de garantir atendimento aos pacientes. Sendo assim, ficou definido que gestantes de risco e bebês que necessitarem de UTI serão encaminhados ao Hospital Mário Palmério Hospital Universitário de Uberaba e também vamos recorrer às cidades vizinhas, como Uberlândia, Araguari e Patos de Minas”, disse a promotora Cláudia Alfredo Marques.

Por meio de nota, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais informou que tomou conhecimento dos casos de morte no Hospital de Clínicas de Uberaba e orientou a unidade de saúde nas providências iniciais de investigação e averiguação das mortes. Além disso, a Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH) do hospital está acompanhando a situação e avaliando as demais medidas necessárias.

KPC

Em nota, a assessoria de imprensa do HC-UFTM de Uberaba afirmou que exames descartaram a possibilidade de que os bebês mortos tenham sido vítimas da superbactéria KPC. Segundo a instituição, os casos de KPC no hospital, em 2017, não foram registrados na UTI Neonatal. Além disso, não há nenhum paciente com KPC no complexo hospitalar atualmente.

Deer inicia reparos no muro de contenção da avenida Nossa Senhora do Carmo

‘Minha filha foi muito desejada’, diz pai de bebê que morreu em hospital