‘Minha filha foi muito desejada’, diz pai de bebê que morreu em hospital

Com o quarto todo rosa, roupinhas e objetos comprados, o açougueiro Roberto Alves da Silva Filho, de 32 anos, e a companheira de 22 aguardavam ansiosamente a chegada de Maria Clara Araújo Alves, primeira filha do casal. A menina é uma das quatro crianças que morreu no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Triângulo Mineiro de Uberaba, nessa terça-feira (20). Segundo a unidade de saúde, os recém-nascidos podem ter sido contaminados pela bactéria Enterobacter cloacae multissensível.

“Minha companheira e eu estamos juntos há três anos, e a minha filha sempre foi muito desejada. Maria Clara nasceu prematura, de sete meses e meio, no dia 8 de março. Desde então, todos os dias que nós íamos ao hospital, eles falavam que ela estava bem, ganhando peso”, contou o pai.

Na madrugada de terça, a família recebeu uma ligação para que comparecesse à unidade de saúde, onde foi informada da morte da menina.

“Já desmontei o berço e doamos algumas coisa. Não sabemos ainda se vamos entrar na Justiça. Pelo que víamos, ela era bem tratada no hospital. Está tudo recente”, afirmou.  A garotinha foi sepultada ainda nessa terça.

A reportagem  de O TEMPO não conseguiu localizar os parentes dos outros bebês mortos. 

Hospital identifica bactéria que pode ter matado quatro bebês em Uberaba

Após morte de adolescente, vereador que quebrou porta de UPA abre CPI da Saúde