O presidente Michel Temer acredita que seria “uma covardia” não ser candidato à reeleição em outubro deste ano. Para o emedebista, disputar a reeleição seria uma forma de defender suas ideias de governo.

As declarações foram feitas em entrevista à revista Istoé divulgada nesta 6ª feira (23.mar.2018).

“Acho que seria uma covardia não ser candidato. Porque, afinal, se eu tivesse feito um governo destrutivo para o país, eu mesmo refletiria que não dá para continuar. Mas, pelo contrário, eu recuperei um país que estava quebrado. Literalmente quebrado”, disse, completando:

Continua após a publicidade

“Eu me orgulho do que fiz. E eu preciso mostrar o que está sendo feito. Se eu não tiver uma tribuna [eleitoral], o que vai acontecer é que os candidatos sairão e vão me bater. E eu vou ter que responder. Só que não vou ter tribuna. Seria uma continuidade daquilo que está efetivamente sendo feito para o Brasil.”

Temer confirmou que sua equipe já trabalha no “Ponte para o Futuro 2”. O 1º documento, lançado em 2015, norteia medidas que o presidente adota em seu mandato.

“O Moreira Franco, intelectuais do MDB e a Fundação Ulysses Guimarães já estão cuidando disso”, disse.

Questionado como ficaria a relação com o PSDB caso confirme sua candidatura, Temer se esquivou. Disse que o ideal seriam 3 ou 4 candidatos à Presidência, no máximo. O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin é o pré-candidato tucano ao Planalto.

“O ideal dos ideais é que houvesse uma candidatura de centro, uma candidatura de extrema-direita, se for o caso, uma candidatura de esquerda. No máximo, três ou quatro candidatos. Mas o que estão no horizonte são 12, 13 candidatos”, disse.

Sobre impopularidade, Temer disse que não adotou nenhuma medida populista e que “não conduz a Presidência como se estivesse conduzindo um carro alegórico”.

[Minha popularidade] Já dobrou 100%: de 3% para 6%. Agora, se aumentar de 6% para 9%, já aumenta 50% (riso). Olha, faço uma distinção entre medidas populares e medidas populistas. As medidas populistas muitas vezes geram popularidade. Nós resolvemos enfrentar temas áridos. Os temas áridos produzem um bom efeito a médio e longo prazos. Daí, vem a popularidade. Aí que se distingue o populismo da popularidade. Não adotei nenhuma medida populista. Não conduzi a Presidência como se estivesse conduzindo um carro alegórico. Sempre tive muita responsabilidade. As medidas necessárias, estruturantes, podem ser reconhecidas e se tornarem populares mais adiante.”

Para o presidente, a “modificação dos costumes políticos do país” é a principal bandeira de seu governo.

“A primeira palavra que marcou o meu governo foi diálogo. Vocês vejam que consegui chegar aqui estabelecendo um diálogo com o Congresso Nacional. E com a sociedade”, disse.


Comments are closed.