O ex-vereador David Thomaz Neto é um dos presos na 2ª fase da Operação Poseidon

O ex-diretor do Departamento Municipal de Água e Esgoto de Uberlândia (Dmae) que também é ex-vereador da cidade, David Thomaz Neto, preso desde o último dia 28 de fevereiro durante as investigações da Operação Poseidon, foi liberado do Presídio Professor Jacy de Assis nesta terça-feira, 27. Além de David Thomaz, o presidente da Araguaia Engenharia, Daniel Vasconcelos Teodoro, também recebeu alvará de soltura. Os dois ficaram presos um mês.

No Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), em Belo Horizonte, os desembargadores deferiram, por 3 votos a 0, o pedido liminar de habeas corpus de Davi Thomaz. A defesa do ex-diretor do Dmae, recorreu da decisão que havia negado o pedido de soltura. Davi Thomaz vai responder o processo em liberdade, mas continua sendo réu na ação.

Continua após a publicidade

O ex-diretor do Dmae foi preso no dia 28 de fevereiro deste ano durante a segunda fase da Operação Poseidon. O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), investiga irregularidades em contratos celebrados entre a autarquia e a empresa Araguaia Engenharia e desvio de recursos públicos de aproximadamente R$ 12 milhões. Seis pessoas foram presos nesta operação.

Já Daniel Vasconcelos Teodoro, presidente da Araguaia Engenharia, foi preso no dia 19 de fevereiro na primeira fase da Poseidon.

Ainda continuam no Presídio Professor Jacy de Assis: o ex-diretor-técnico do Dmae, Carlos Henrique Lamounier Borges; o ex-diretor geral do departamento em 2012, Epaminondas Honorato Mendes; o ex-servidor do Dmae , Manoel Calhau Neto e o engenheiro, João Paulo Voss.

Além de David, a defesa do sócio-proprietário da Araguaia, Daniel Vasconcelos Teodoro, informou que o cliente recebeu na tarde desta terça habeas corpus favorável por desembargadores do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). No entanto, até a publicação da matéria, Daniel não tinha saído do Presídio Professor Jacy de Assis.

A decisão de soltura de David e Daniel é em segunda instância e cabe recurso do MPMG.

Com informações de Camila Rabelo

 


Comments are closed.