As buscas pelo menino Miguel, de 2 anos, completaram 24 horas no início da tarde deste sábado (31). A criança desapareceu na tarde de sexta-feira (30) em uma mata no bairro Parque das Indústrias, em Betim. Segundo informações do Corpo de Bombeiros, a área percorrida pelas equipes de busca já equivale a 20 campos de futebol.

Há a suspeita de que o garoto possa ter sido raptado. Por conta dessa tese, a PM já realizou uma apuração da cena em que o garoto sumiu, colhendo, por exemplo, a placa dos carros que estavam na região.

Veja o mapa da área percorrida pelos Bombeiros

FOTO: Reprodução/WhatsApp
mapa bombeiros
Área percorrida pelas equipes de busca já equivale a 20 campos de futebol
Continua após a publicidade

O desaparecimento aconteceu por volta das 12h quando o pai do garoto foi recolher lenha. O menino foi identificado apenas como Miguel e seria morador do bairro Betim Industrial.

Em entrevista à reportagem de O TEMPO, a mãe Elisângela de Oliveira, 39 anos, disse não acreditar na hipótese de que o menino está perdido pela mata, e sim que uma pessoa raptou o filho.

“Não acho que ele está perdido, acho que alguém pegou ele, levou ele de mim. Levou meu coração junto”, diz. Segundo Elisângela, Miguel sumiu depois que ela saiu para trabalhar. “Ele tá de calça jeans clara, blusa azul. Descalço, a sandália ficou aqui. Quando eu saí para trabalhar, ele tava dormindo dentro do carro. Passamos a noite aqui, orando, várias noites fazemos isso. Na noite anterior fizemos isso. Saí pra trabalhar e ele ficou dormindo no carro”, conta a mãe, que trabalha como empregada doméstica.

Confira o relato da mãe de Miguel:

Como ajudar?

De acordo com o Corpo de Bombeiros, a população pode ajudar enviando informações pelo 190 e 197.

“A suspeita imediata é que a criança ainda continue aqui na mata mesmo, pois se perdeu aqui. Mas não é impossível (o rapto), até porque havia mais gente no local, então, há sim essa possibilidade, mas não temos confirmação ainda. Isso ficará a cargo da polícia investigar”, declarou o tenente Machado, do Corpo de Bombeiros.

Comoção local

O desaparecimento

A família da criança iria passar a noite na mata acampada. Quando o garoto sumiu, o pai começou as buscas, juntamente com a ajuda de outras pessoas, e acionou a Polícia Militar e os bombeiros.

Além das buscas terrestres, chamando pelo nome da criança, os bombeiros também usaram cães farejadores e o helicóptero Arcanjo, mas não houve sucesso. “Depois, nós chamamos alguns populares para nos auxiliar, sempre os guiando, pois assim conseguiríamos abranger uma área maior. Também foi utilizado o helicóptero Pégasus, com imagem infravermelha, mas também não foi visualizado nada”, completou o tenente Machado.


Comments are closed.