Ricardo Oliveira marcou duas vezes e foi decisivo para o Atlético no clássico contra o Cruzeiro Fonte: Ramon Lisboa/E.M/D.A.Press

Diante de seu torcedor, que fez grande festa nas arquibancadas do Independência, o Atlético reverteu a vantagem do Cruzeiro na briga pela taça de campeão mineiro. Na tarde deste domingo, no Horto, o Galo fez a sua bola parada funcionar com perfeição e venceu a equipe celeste por 3 a 1. Os gols alvinegros saíram na etapa inicial, todos com participação de Otero, autor de três assistências. Ricardo Oliveira, duas vezes, e Adilson, balançaram as redes de Fábio. Na etapa final, Arrascaeta marcou e diminuiu o prejuízo celeste.

Com a vitória por 3 a 1, o Atlético pode até perder por um gol de diferença no próximo domingo, às 16h, no Mineirão, que levantará a taça de campeão mineiro. Para o Cruzeiro, só resta vencer por pelo menos dois gols para voltar a conquistar o título estadual.

Continua após a publicidade

O foco das equipes muda nesta semana. Na quarta-feira, às 19h30, o Atlético recebe o Ferroviário-CE, pela quarta fase da Copa do Brasil, no Independência. No mesmo dia, às 21h45, o Cruzeiro receberá o Vasco, em jogo válido pela Copa Libertadores.

O jogo

O Atlético foi a campo no clássico com a equipe que venceu o América na segunda partida da semifinal. Otero foi mantido na equipe e, ainda no primeiro tempo, mostraria que a decisão de Thiago Larghi de manter o time foi acertada. Mano Menezes, no Cruzeiro, fez mudanças, como a entrada de Raniel no lugar do lesionado Fred, e de Leo na vaga de Dedé.

O primeiro tempo foi muito equilibrado até a parada técnica para que os jogadores se reidratassem. As duas equipes se alternaram no controle da partida. Quando o Atlético tinha a bola, o Cruzeiro recuava suas linhas. Quando a equipe celeste recuperava a posse, era a vez do Alvinegro se compactar defensivamente. O time de Thiago Larghi conseguiu alternar bem as posições em seu ataque, tentou jogar pelos dois lados e também pela faixa central. Já a equipe de Mano Menezes tentou criar pelo lado esquerdo, com Egídio e Rafinha, enquanto o lado direito, com Romero e Robinho, ficou mais isolado.

Com a boa marcação das duas equipes, só era possível chegar ao gol adversário em troca de passes rápidos. Assim chegou o Galo, mas Patric chutou para fora. O Cruzeiro respondeu com Egídio, que finalizou de longe para boa defesa de Victor.

Aos poucos o Atlético foi se soltando mais em campo, dominando a parte central e avançando suas linhas. Com Cazares e Ricardo Oliveira, o time levou perigo. O Cruzeiro ficou acuado, esperando o momento certo para dar o bote. E ele veio em contra-ataque de alta velocidade. Robinho lançou Thiago Neves, que dominou e fuzilou para grande defesa de Victor.

Aos 31 minutos, o árbitro Delson Freitas parou o jogo para que os jogadores se reidratassem. Logo depois, a escolha de Thiago Larghi fez a diferença: Otero. O camisa 11 sofreu falta aos 36′. As imagens da TV mostraram que a infração de Egídio não existiu. Ele cobrou cruzado para a área, na segunda trave. A bola passou por todos os cruzeirenses e Ricardo Oliveira, livre, de coxa, abriu o placar e explodiu o Independência: 1 a 0.

Cinco minutos depois, escanteio para o Atlético no lado direito. Otero, que é destro, resolveu cobrar de esquerda. Jogada ensaiada, na primeira trave. Adilson apareceu, aproveitou a bola baixa e tocou de cabeça para trás. A bola passou no meio das pernas de Fábio e morreu no fundo das redes: 2 a 0.

A bola parada alvinegra foi mortal na etapa inicial. Aos 45′, novo escanteio. Desta vez, Otero cobrou curto com Cazares, que segurou e tocou de novo para o venezuelano. Em cruzamento perfeito, o camisa 11 encontrou Ricardo Oliveira livre para cabecear firme e marcar o terceiro do Galo: 3 a 0.

Na etapa final, Mano Menezes colocou Arrascaeta no lugar de Rafinha. O time celeste voltou melhor, partiu para cima e tentou buscar o gol. O Atlético, com grande vantagem no placar, controlou mais a partida e só foi ao ataque com o jogo controlado. O Cruzeiro tentou em finalizações de longe, mas não assustou o goleiro Victor. O Galo, em boas tabelas, levou perigo com Luan, que parou em grande defesa de Fábio, e Cazares, em finalização de longe.

Em busca do primeiro gol, Mano Menezes mexeu mais duas vezes na equipe celeste, com as entradas de Sassá e Mancuello. No Galo, entraram Tomás Andrade e Yago. A entrada do volante, no entanto, não foi uma mudança de esquema. O jovem entrou na vaga de Elias.

O Atlético recuou esperando o Cruzeiro. A equipe celeste avançava e tentava o gol de honra. Sassá parou em Victor. Num contra-ataque, Tomás Andrade cortou para dentro e bateu para boa defesa de Fábio. Em jogada de alta velocidade da Raposa, quase o primeiro gol. Egídio levou no fundo e cruzou. Sassá, livre, cabeceou e Victor fez defesa espetacular.

De tanto insistir, a equipe celeste diminuiu o marcador. Em troca de passes rápida, Sassá tocou para Thiago Neves, que achou Arrascaeta livre. O uruguaio finalizou sem chances para Victor e balançou as redes: 3 a 1.

Após o gol celeste, o Galo voltou a procurar ampliar o placar. Cazares, em duas finalizações, levou perigo, uma delas defendida por Fábio. O goleiro celeste também fez defesa espetacular em chute de Otero. O Cruzeiro foi para cima nos minutos finais, mas não conseguiu o segundo tento. Vitória e boa vantagem do Atlético na decisão do Campeonato Mineiro.

ATLÉTICO 3X1 CRUZEIRO

Atlético

Victor, Patric, Leonardo Silva, Gabriel e Fábio Santos; Adilson (Arouca) e Elias (Yago); Luan (Tomás Andrade), Cazares e Otero; Ricardo Oliveira. Técnico: Thiago Larghi

Cruzeiro

Fábio; Lucas Romero, Leo, Murilo e Egídio; Henrique e Ariel Cabral (Mancuello); Robinho, Thiago Neves e Rafinha (Arrascaeta); Raniel (Sassá). Técnico: Mano Menezes

Gols: Ricardo Oliveira (aos 36’1ºT e aos 45’1ºT), Adilson (aos 41’1ºT); Arrascaeta (aos 37’2ºT)

Cartões amarelos: Sassá (Cruzeiro); Elias, Adilson, Ricardo Oliveira (Atlético)

Motivo: partida de ida da final do Campeonato Mineiro

Local: Independência, em Belo Horizonte (MG)

Data e horário: domingo, 1º de abril, às 16h

Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (CBF)

Assistentes: Hélcio Araújo Neves e José Ricardo Guimarães Coimbra

Publico : 21.215

Renda : R$ 580.025,00

Superesportes


Comments are closed.