Um funcionário terceirizado da rede de fast-food McDonald’s de Belo Horizonte foi demitido da empresa após a repercussão do caso no qual ele é suspeito de ter agredido uma grávida de oito meses com um soco na barriga, o marido dela e três crianças com pontapés.

A agressão teria acontecido no último sábado (31), em um restaurante localizado na avenida Engenheiro Carlos Goulart, no bairro Buritis, na região Oeste da capital.

Segundo a artista plástica Tatiana Sansi, de 35 anos, ela foi atacada por um segurança do McDonald’s quando interveio em uma outra agressão física e verbal desse funcionário contra três crianças. A gestante diz que ao tentar impedir o homem foi empurrada e recebeu um soco na barriga.

Continua após a publicidade

Nessa quinta-feira (5), Tatiana escreveu um texto sobre o episódio no Facebook contando os detalhes. Ela afirma que foi até o estabelecimento com o marido por volta de 15h daquele sábado para encontrar uma sobrinha.

No momento em que ela entrou no McDonald’s, as três crianças apareceram e pediram para que ela comprasse um sanduíche. Depois de enfrentar a fila, realizar a compra e caminhar para a saída, a vítima percebeu a agressão física e verbal do segurança contra os menores.

“Ao intervir para tentar impedir as agressões, o homem então me empurrou e deu um soco na minha barriga. Além do soco, fui também agredida verbalmente”, evidencia Tatiana.

Ainda de acordo com o relato da mulher na rede social, o marido dela tentou conter o funcionário, sem violência, enquanto ela ligava para a polícia. Diante da reação do casal, o segurança teria dado socos e atirado pedras no marido.

Tatiana afirma que o marido precisou ser atendido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), mas não deu detalhes sobre os ferimentos. O casal registrou um boletim de ocorrência numa delegacia e realizou exames de corpo de delito. A gestante ainda acompanhou as mães das três crianças, que também denunciaram o funcionário do McDonald’s. A artista plástica ressalta que só foi liberada da unidade policial por volta das 2h da manhã de domingo, quando os procedimentos foram encerrados.

De acordo com a Polícia Civil, as vítimas e o agressor foram ouvidos nessa quinta na Delegacia Regional do Barreiro. O segurança assinou um termo circunstanciado de ocorrência por vias de fato contra o casal. Ainda conforme a corporação, o caso foi encaminhado para o Juizado Especial Criminal, que vai marcar uma audiência com os envolvidos.

O McDonald’s, por sua vez, enviou uma nota confirmando a demissão do funcionário. Além disso, a rede de fast-food informou que está apurando os fatos e diz que vai tomar as providências cabíveis.

“Informamos que o fato ocorreu fora das dependências do McDonald’s e envolveu um funcionário terceirizado que estava fora do seu horário de trabalho. A empresa tão logo tomou conhecimento do fato, dispensou esse profissional, pois repudia qualquer tipo de violência”, destaca o comunicado.

O restaurante também afirma na nota que não faz qualquer distinção de classe social, racial e gênero.

No Facebook, Tatiana disse que não foi procurada pelo McDonald’s, mas recebeu uma ligação da empresa que concede os seguranças terceirizados para a rede de fast-food. “Fui agredida covardemente e não fui procurada pela empresa de alimentação para qualquer tipo de suporte sob o pretexto de se tratar de um funcionário terceirizado. O único contato que recebi foi da empresa de segurança Comando G8 contratante do suposto vigilante apenas para me questionar se eu possuía alguma nota fiscal de consumo da loja”, ressalta.

O Comando G8, empresa do funcionário terceirizado ao McDonald’s, afirma, em nota, que ligou para Tatiana para saber sobre o estado de saúde dela. A companhia também confirma que o segurança estava de folga no momento em que aconteceram as agressões e que ele não trabalhará mais para o grupo. “O Grupo G8 também está à disposição das autoridades para auxiliar nas investigações”, finaliza.

Atualizada às 13h13


Comments are closed.