Otero e Thiago Neves são os maestros das equipes na busca pelo título de 2018 Fonte: Alexandre Guzanshe/E.M/D.A.Press

Cruzeiro e Atlético decidem hoje, a partir das 16h, no Mineirão, mais uma edição do Campeonato Mineiro. Será o tira-teima entre os tradicionais rivais desde que a competição adotou a atual fórmula – variou em número de participantes, chegando a 14 em 2004, e também em total de classificados, que chegou a oito em 2009, 2010 e neste ano, mas sempre com a final em duas partidas.

Nas últimas 14 edições, o clube celeste levantou a taça em seis oportunidades, e o alvinegro em outras seis – Ipatinga, em 2005, e América, em 2016, foram os intrusos no período. Assim, hoje se saberá quem vai garantir a soberania estadual no período.

Continua após a publicidade

O Galo está em situação confortável, pois pode perder por até um gol de diferença para ser campeão, depois de fazer 3 a 1 no jogo de ida, no Independência. No CT atleticano, porém, ninguém admite mudar a forma de jogar em função da vantagem.

“Conhecemos bem o adversário, sabemos da qualidade que existe do outro lado e montamos, junto com o nosso treinador, uma ideia de jogo. Não vamos fugir da nossa característica. O time está crescendo, encorpando e estamos muito animados com isso. Agora é o momento em que precisamos confirmar esse crescimento em um jogo importantíssimo, com troféu em disputa. É uma decisão, vamos entrar para fazer um grande jogo e buscar o título”, garante o atacante Ricardo Oliveira.

Ele chegou ao Galo em janeiro e terá a chance hoje não só de conquistar o primeiro título pela equipe como de atingir marca pessoal. Com seis gols, ele divide a artilharia do Mineiro com Aylon, do América, e pode se isolar como maior marcador.

O foco, porém, é mesmo no trabalho coletivo. “A dedicação de todos é importante, todos os jogadores estão sendo importantes nesse esquema. A maior força que temos é o elenco. Eu nunca fui de estabelecer metas, números. Sempre foquei jogo após jogo. O jogo mais importante é o próximo. Entro para fazer meu melhor, para fazer gols. Acredito que os meus companheiros têm cooperado muito com meus números positivos. A gente está crescendo como um time, coletivamente falando. As individualidades existem, estão aparecendo.”

TABU 

Pelo lado celeste, a tarefa é das mais difíceis. Afinal, nunca houve quem conseguisse tirar diferença de dois ou mais gols desde 2004. Há cinco anos, por exemplo, o time foi derrotado pelo próprio Atlético por 3 a 0 no jogo de ida e, apesar do esforço, ficou com o vice depois de vencer por 2 a 1 na volta. Já em 2004, foi a vez de a Raposa fazer 3 a 1 na primeira partida, assegurando o título mesmo com derrota por 1 a 0 na segunda. Apesar disso, há muita confiança do lado azul da decisão.

“Não estamos na situação que queríamos, não vamos ser demagógicos, mas acontece. Nesta semana vimos o (Manchester) City tomar três do Liverpool (no jogo de ida das quartas de final da Liga dos Campões da Europa), mesmo sendo uma das equipes do mundo que mais investiram. Ou seja, vale o que ocorre dentro de campo. Não fizemos bem parte dos primeiros 90 minutos e deixamos escapar a vantagem que construímos no campeonato inteiro. Agora é lutar para recuperá-la. A gente sabe o tamanho do adversário, mas também sabemos que o que ocorreu lá pode ocorrer aqui”, argumenta o técnico Mano Menezes.

Um dos motivos do otimismo foi o bom campeonato feito pelo Cruzeiro. Na primeira fase, foram nove pontos a mais que o adversário da final. Já pelo lado do Atlético, além da vantagem pesa a favor o bom momento. Enquanto o rival se desgastou para empatar sem gols com o Vasco, pela Copa Libertadores, na quarta-feira, o técnico Thiago Larghi pôde poupar titulares diante do Ferroviário-CE, também em Belo Horizonte, e mesmo assim goleou por 4 a 0 no jogo de ida da quarta fase da Copa do Brasil.

Além disso, enquanto a Raposa não pode contar com jogadores como o zagueiro Murilo e o atacante Fred devido a problemas físicos, o Galo tem todos os principais atletas em condições de jogo e alguns deles em ótima fase, como Otero e Cazares.

Cruzeiro será campeão com: vitória por no mínimo dois gols de diferença.
Atlético será campeão com: empate, vitória por qualquer placar ou derrota por um gol de diferença.

AS ÚLTIMAS FINAIS

Ano             Jogo de Ida                 Jogo de volta         Campeão 
2017     Cruzeiro 0 x 0 Atlético     Atlético 2 x 1 Cruzeiro       Atlético
2016     América 2 x 1 Atlético      Atlético 1 x 1 América       América
2015     Atlético 0 x 0 Caldense    Caldense 1 x 2 Atlético      Atlético
2014     Atlético 0 x 0 Cruzeiro     Cruzeiro 0 x 0 Atlético      Cruzeiro
2013     Atlético 3 x 0 Cruzeiro     Cruzeiro 2 x 1 Atlético      Atlético
2012     América 1 x 1 Atlético      Atlético 3 x 0 América       Atlético
2011     Atlético 2 x 1 Cruzeiro     Cruzeiro 2 x 0 Atlético      Cruzeiro
2010     Ipatinga 2 x 3 Atlético      Atlético 2 x 0 Ipatinga      Atlético
2009     Cruzeiro 5 x 0 Atlético      Atlético 1 x 1 Cruzeiro     Cruzeiro
2008     Atlético 0 x 5 Cruzeiro      Cruzeiro 1 x 0 Atlético     Cruzeiro
2007     Atlético 4 x 0 Cruzeiro      Cruzeiro 2 x 0 Atlético     Atlético
2006     Cruzeiro 1 x 1 Ipatinga     Ipatinga 0 x 1 Cruzeiro    Cruzeiro
2005     Ipatinga 1 x 1 Cruzeiro     Cruzeiro 1 x 2 Ipatinga    Ipatinga

2004*   Cruzeiro 3 x 1 Atlético       Atlético 1 x 0 Cruzeiro    Cruzeiro
(*) Campeonato teve 14 times

Superesportes


Comments are closed.