O que parecia sorte, virou prejuízo. O professor universitário de Conselheiro Lafaiete, na região metropolitana de Belo Horizonte, Bruno Silva Alencar, foi um dos nove motoristas que tiveram o carro incendiado no final da tarde da última quarta-feira (18), durante a queda de uma árvore que atingiu um transformador, na rua São Paulo, no bairro de Lourdes. Ele e a esposa vieram à Capital para  uma consulta médica e acabaram tendo uma surpresa desagradável.

“Trouxe minha esposa para uma consulta. Ao final, o médico nos pediu que pegássemos uma segunda opinião. Conseguimos, por telefone, agendar uma segunda consulta, de imediato, com um médico que, normalmente, demoraria de três a quatro meses para conseguirmos atendimento, aqui nas proximidades da rua São Paulo. E fomos”, explicou Bruno. 

Após a consulta, eles se dirigiram ao local no qual haviam estacionado o veículo e perceberam que a rua estava isolada. O veículo Fox 2008 do casal já estava completamente incendiado. 
“Dentro do carro tinha todos os meus materiais de aula. Notebook, provas de alunos, muita coisa. Se alguém responsável tivesse tomado as devidas providências, isso tudo poderia ter sido evitado. Hoje foram nove carros, mas e se fossem nove vidas?”, questiona o professor universitário. 

Continua após a publicidade

O veículo não tinha seguro e o proprietário espera agora buscar orientações jurídicas para conseguir o ressarcimento dos prejuízos na Justiça. 

Prefeitura

Na manhã desta quinta, o secretário municipal de Obras e Infraestrutura, Josué valadão confirmou, em entrevista coletiva, que o motivo da queda da árvore  pode estar ligado ao tracionamento das raízes. “Foi um fato inédito, que nos preocupa. Isso porque a queda não teve a ação de nenhum fator externo, como chuva. Nós já nos reunimos, hoje cedo,  com os gerentes das nove regionais e a principal medida agora, é dar prioridade ao atendimento  às solicitações de poda e supressão dos cidadãos”, afirmou. 

O secretario informou ainda que, atualmente, existem cerca de 7.200 solicitações para poda e supressão de árvores na capital. Nesta quinta pela manhã, funcionários da Cemig trabalhavam para fazer os reparos na rede elétrica na rua São Paulo e os bombeiros já iniciaram uma vistoria para saber se outras árvores correm o risco de desabarem na região. 

Atendimentos

O Corpo de Bombeiros informou que 1369 vistorias em árvores com risco de queda foram feitas neste ano, em Belo Horizonte e na região metropolitana. Foram atendidos também 530 chamados para o corte de árvores com risco de queda e outros 532 chamados para poda de árvores já caídas. 


Comments are closed.