Vasco arranca empate com Racing, mas segue em situação difícil na Libertadores

Wagner fez o gol de empate do Vasco, que jogou com um a menos e buscou a virada até o fim Fonte: AFP/Mauro Pimentel

O Vasco recebeu o Racing nesta quinta-feira em São Januário e, mesmo com um jogador a menos durante boa parte do confronto, arrancou o empate por 1 a 1. A raça e a determinação demonstrada pelo time carioca em campo arrancaram aplausos da torcida após o apito final, mas não impediram que a situação na Libertadores ficasse ainda mais complicada.

Depois de uma exibição para esquecer na primeira etapa, em que levou o gol do jovem Lautaro Martínez – seu quinto nesta Libertadores, todos contra brasileiros -, o Vasco tirou forças de onde não se esperava no segundo tempo. Desábato foi expulso aos dez minutos e, mesmo assim, o time carioca pressionou um adversário superior até encontrar o empate com Wagner, já aos 36.

O resultado mantém o Vasco na lanterna do Grupo 5, com dois pontos, precisando vencer suas últimas duas partidas para seguir sonhando com uma vaga. Na quarta que vem, recebe o Cruzeiro, segundo colocado com cinco pontos, em jogo fundamental para ambos. Já o Racing lidera a chave, com oito pontos, e encaminhou a classificação mesmo com o empate.

O jogo

O jogo começou com um desenho bem definido. Mesmo muito superior tecnicamente, o Racing não estava disposto a arriscar e esperava o Vasco para sair nos contra-ataques. Só que os donos da casa não mostravam criatividade suficiente para incomodar o adversário, o que fez com que o tempo se arrastasse sem qualquer emoção.

Donatti tentou de falta, Ríos de cabeça, mas a primeira boa chance saiu depois da primeira meia hora. E foi fatal. Aos 31, o Racing escapou em rápido contragolpe pela direita. Centurión arrancou, foi cortando para o meio e achou ótima enfiada para Lautaro Martínez. O jovem atacante falhou na primeira tentativa e parou em Martín Silva, mas deu sorte porque o rebote voltou nos seus pés. Aí, foi só empurrar para a rede.

Momentos depois do gol, os torcedores argentinos entraram em conflito com a polícia carioca, os jogadores deixaram o gramado para pedir calma e o duelo foi paralisado. Somente depois de quase cinco minutos, as borrachadas e o spray de pimenta deram lugar novamente ao futebol.

Mas nada dava certo para o Vasco, e quem levou perigo pela última vez antes do intervalo foi o Racing, em cobrança de falta ensaiada que Lisandro López finalizou rente à trave.

Superação

Vaiado na saída para os vestiários, o Vasco voltou diferente para a etapa final e quase marcou com um minuto, quando Werley aproveitou saída errada de Musso e cabeceou por cima. Aos nove, Pikachu cobrou falta pela esquerda, o goleiro se atrapalhou de novo, a bola bateu em Soto e saiu rente à trave.

O time carioca crescia e o Racing se retraía cada vez mais. Mas aí, Martín Silva saiu jogando errado, Lautaro Martínez ficou com a bola e sofreu falta de Desábato, que recebeu o segundo amarelo e foi expulso. Com um a menos, o Vasco quase sofreu o segundo já na sequência. Lisandro López fez grande jogada pela esquerda, a bola passou por Lautaro e chegou a Donatti, que bateu rente ao travessão.

Zé Ricardo fez o que podia, lançou o Vasco ao ataque com a entrada de Riascos na vaga de Wellington, mas as tentativas eram desorganizadas. Para piorar, o contragolpe do Racing estava armado e quase definiu a partida aos 31. Lisandro López deu ótima enfiada para Lautaro Martínez, que parou em Martín Silva.

Teria que ser na base da raça, e foi assim que o gol do empate saiu. Aos 36 minutos, Ríos recebeu pela direita na área e finalizou firme. Musso espalmou, mas a sobra ficou com Wagner, que empurrou para a rede. Mesmo com um a menos, o time carioca embalou, foi para cima com o apoio da torcida e quase virou com Pikachu aos 42. Musso, desta vez, fez grande defesa.

VASCO 1 X 1 RACING

VASCO

Martín Silva; Yago Pikachu, Werley, Paulão e Henrique; Wellington (Riascos), Desábato, Thiago Galhardo (Fabrício), Wagner e Rildo (Bruno Silva); Andrés Ríos

Técnico: Zé Ricardo

RACING

Musso; Saravia, Sigali (Miguel Barbieri), Donatti e Soto; Nery Domínguez, Diego González e Neri Cardozo (Zaracho); Centurión, Lautaro Martínez e Lisandro López (Mansilla)

Técnico: Eduardo Coudet

GOLS: Lautaro Martínez, aos 31min do 1ºT; Wagner, aos 36min do 2ºT

Árbitro: Diego Haro (Fifa/Peru)

Cartões amarelos: Henrique, Werley (Vasco); Neri Cardozo, Miguel Barbieri, Soto, Zaracho (Racing)

Cartão vermelho: Desábato (Vasco)

Renda: R$ 596.528,35

Público: 9.911 pagantes (10.379 presentes)

Local: Estádio São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)

 

Superesportes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Três acidentes deixam, pelo menos, dois mortos nas estradas mineiras

Termina hoje prazo para inscrição no Encceja

Vasco arranca empate com Racing, mas segue em situação difícil na Libertadores

Wagner fez o gol de empate do Vasco, que jogou com um a menos e buscou a virada até o fim Fonte: AFP/Mauro Pimentel

O Vasco recebeu o Racing nesta quinta-feira em São Januário e, mesmo com um jogador a menos durante boa parte do confronto, arrancou o empate por 1 a 1. A raça e a determinação demonstrada pelo time carioca em campo arrancaram aplausos da torcida após o apito final, mas não impediram que a situação na Libertadores ficasse ainda mais complicada.

Depois de uma exibição para esquecer na primeira etapa, em que levou o gol do jovem Lautaro Martínez – seu quinto nesta Libertadores, todos contra brasileiros -, o Vasco tirou forças de onde não se esperava no segundo tempo. Desábato foi expulso aos dez minutos e, mesmo assim, o time carioca pressionou um adversário superior até encontrar o empate com Wagner, já aos 36.

O resultado mantém o Vasco na lanterna do Grupo 5, com dois pontos, precisando vencer suas últimas duas partidas para seguir sonhando com uma vaga. Na quarta que vem, recebe o Cruzeiro, segundo colocado com cinco pontos, em jogo fundamental para ambos. Já o Racing lidera a chave, com oito pontos, e encaminhou a classificação mesmo com o empate.

O jogo

O jogo começou com um desenho bem definido. Mesmo muito superior tecnicamente, o Racing não estava disposto a arriscar e esperava o Vasco para sair nos contra-ataques. Só que os donos da casa não mostravam criatividade suficiente para incomodar o adversário, o que fez com que o tempo se arrastasse sem qualquer emoção.

Donatti tentou de falta, Ríos de cabeça, mas a primeira boa chance saiu depois da primeira meia hora. E foi fatal. Aos 31, o Racing escapou em rápido contragolpe pela direita. Centurión arrancou, foi cortando para o meio e achou ótima enfiada para Lautaro Martínez. O jovem atacante falhou na primeira tentativa e parou em Martín Silva, mas deu sorte porque o rebote voltou nos seus pés. Aí, foi só empurrar para a rede.

Momentos depois do gol, os torcedores argentinos entraram em conflito com a polícia carioca, os jogadores deixaram o gramado para pedir calma e o duelo foi paralisado. Somente depois de quase cinco minutos, as borrachadas e o spray de pimenta deram lugar novamente ao futebol.

Mas nada dava certo para o Vasco, e quem levou perigo pela última vez antes do intervalo foi o Racing, em cobrança de falta ensaiada que Lisandro López finalizou rente à trave.

Superação

Vaiado na saída para os vestiários, o Vasco voltou diferente para a etapa final e quase marcou com um minuto, quando Werley aproveitou saída errada de Musso e cabeceou por cima. Aos nove, Pikachu cobrou falta pela esquerda, o goleiro se atrapalhou de novo, a bola bateu em Soto e saiu rente à trave.

O time carioca crescia e o Racing se retraía cada vez mais. Mas aí, Martín Silva saiu jogando errado, Lautaro Martínez ficou com a bola e sofreu falta de Desábato, que recebeu o segundo amarelo e foi expulso. Com um a menos, o Vasco quase sofreu o segundo já na sequência. Lisandro López fez grande jogada pela esquerda, a bola passou por Lautaro e chegou a Donatti, que bateu rente ao travessão.

Zé Ricardo fez o que podia, lançou o Vasco ao ataque com a entrada de Riascos na vaga de Wellington, mas as tentativas eram desorganizadas. Para piorar, o contragolpe do Racing estava armado e quase definiu a partida aos 31. Lisandro López deu ótima enfiada para Lautaro Martínez, que parou em Martín Silva.

Teria que ser na base da raça, e foi assim que o gol do empate saiu. Aos 36 minutos, Ríos recebeu pela direita na área e finalizou firme. Musso espalmou, mas a sobra ficou com Wagner, que empurrou para a rede. Mesmo com um a menos, o time carioca embalou, foi para cima com o apoio da torcida e quase virou com Pikachu aos 42. Musso, desta vez, fez grande defesa.

VASCO 1 X 1 RACING

VASCO

Martín Silva; Yago Pikachu, Werley, Paulão e Henrique; Wellington (Riascos), Desábato, Thiago Galhardo (Fabrício), Wagner e Rildo (Bruno Silva); Andrés Ríos

Técnico: Zé Ricardo

RACING

Musso; Saravia, Sigali (Miguel Barbieri), Donatti e Soto; Nery Domínguez, Diego González e Neri Cardozo (Zaracho); Centurión, Lautaro Martínez e Lisandro López (Mansilla)

Técnico: Eduardo Coudet

GOLS: Lautaro Martínez, aos 31min do 1ºT; Wagner, aos 36min do 2ºT

Árbitro: Diego Haro (Fifa/Peru)

Cartões amarelos: Henrique, Werley (Vasco); Neri Cardozo, Miguel Barbieri, Soto, Zaracho (Racing)

Cartão vermelho: Desábato (Vasco)

Renda: R$ 596.528,35

Público: 9.911 pagantes (10.379 presentes)

Local: Estádio São Januário, no Rio de Janeiro (RJ)

 

Superesportes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Três acidentes deixam, pelo menos, dois mortos nas estradas mineiras

Termina hoje prazo para inscrição no Encceja