A Polícia Civil de Minas Gerais anunciou nesta quarta-feira (2) ter prendido o homem acusado de matar um delegado e de sequestrar o gerente de um banco na Bahia, além de roubar outras instituições financeiras.

O suspeito, Guilherme Silva Fraga, de 27 anos, foi localizado em Montes Claros, na região Norte de Minas, na semana passada em operação conjunta com a polícia baiana.

Com ele, foram apreendidos dois aparelhos de celulares cadastrados no nome do presidente Michel Temer.

Continua após a publicidade

O suspeito não contou como obteve esses dados, mas a polícia acredita que tenham sido usados com a intenção de dificultar a obtenção de escuta dos aparelhos.

“Talvez achassem que assim o juiz não autorizasse a interceptação dos celulares”, explicou o delegado Herivelton Ruas Santana, de Montes Claros. De acordo com a polícia, o uso dos dados não ocasiona prejuízos diretos a Temer.

O suspeito foi pego no bairro Sagrada Família, em Montes Claros, e a prisão não foi divulgada de imediato para não atrapalhar o monitoramento a outros integrantes da quadrilha.

Policiais acreditam que Fraga participou do sequestro de um gerente do Banco do Brasil em Barra da Estiva (BA) e do assassinato do delegado da cidade, Marco Antônio Torres, morto em abril enquanto investigava as ações do grupo.

Os criminosos também estariam envolvidos em ataques a carros-fortes e caixas eletrônicos.

O delegado disse que um carro usado nos crimes foi apreendido com o suspeito. Além disso, um de seus comparsas foi preso em São Paulo, enquanto que outro morreu em confronto com a polícia. A localização deles se deu através de grampos telefônicos.

Guilherme Fraga já soma uma extensa ficha policial que inclui sequestros e ataques a bancos.

Na agenda dele estavam anotados o CPF e o nome completo do presidente, Michel Miguel Elias Temer Lulia. Celulares com chips cadastrados em nome de Temer e do prefeito de Feira de Santana (BA), José Ronaldo de Carvalho, também teriam sido usados por outros integrantes da quadrilha.


Comments are closed.