Brasil lamenta falta de legitimidade nas eleições venezuelanas

O governo do Brasil lamentou profundamente a forma como ocorreram as eleições presidenciais na Venezuela. Sem mencionar a reeleição do presidente Nicolás Maduro, que cumprirá mais 6 anos de mandato, o Ministério das Relações Exteriores questiona, em nota, o processo, levantando dúvidas sobre a liberdade, a transparência e o respeito aos preceitos democráticos. “O pleito do dia 20 de maio careceu de legitimidade e credibilidade”, diz a nota oficial.

Em seguida, o texto, divulgado na manhã desta segunda-feira (21), acrescenta que “o governo brasileiro lamenta profundamente que o governo venezuelano não tenha atendido aos repetidos chamados da comunidade internacional pela realização de eleições livres, justas, transparentes e democráticas”.

Na nota, o Itamaraty informa que o Brasil manterá a atuação na Organização dos Estados Americanos (OEA) em favor do “restabelecimento da institucionalidade democrática, do Estado de Direito e do respeito aos direitos humanos na Venezuela”.

“[O Brasil] seguirá empenhado em seus esforços de mitigar os efeitos da crise humanitária que vivem os venezuelanos e acolher, de acordo com a legislação nacional e nossas obrigações internacionais, os que ingressem em território brasileiro.”

O Itamaraty ressalta ainda, no texto, que as eleições ocorreram em meio a presos políticos, partidos e lideranças políticas inabilitados, “sem observação internacional independente” nem autonomia entre os Poderes.

“Assim, ao invés de favorecer a restauração da democracia na Venezuela, as eleições de ontem aprofundam a crise política no país, pois reforçam o caráter autoritário do regime, dificultam a necessária reconciliação nacional e contribuem para agravar a situação econômica, social e humanitária que aflige o povo venezuelano, com impactos negativos e significativos para toda a região, em particular os países vizinhos.”

Agência Brasil

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Feirão da Casa Própria movimenta cerca de 265 milhões de reais em Uberlândia

Mano projeta liderança do Cruzeiro na Libertadores para sair do caminho dos brasileiros nas oitavas