Polícia Civil investiga aumentos abusivos de combustíveis na capital

Os proprietários de postos de combustíveis que aproveitam a greve dos caminhoneiros para vender gasolina a preços abusivos estão na mira da Polícia Civil de Belo Horizonte.

Por meio do Departamento de Investigação de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri), a Polícia Civil prendeu nessa quinta-feira (24) a gerente de um posto na região do Barreiro, que vendia a gasolina a R$ 5,99 o litro.

Em entrevista coletiva, o delegado e chefe do Depatri, Rodrigo Bustamante, explicou nesta sexta-feira (25), que 13 postos foram inspecionados na quinta em diversas regiões da capital. Em muitos deles, o preço da gasolina também foi considerado abusivo, mas como os estabelecimentos já estavam fechados pela falta do combustível não houve flagrante e ninguém foi preso. Os bairros ondem ficam os postos verificados pela polícia não foram divulgados.

O delegado salienta que as pessoas que foram lesadas por qualquer posto em BH devem procurar o Procon e levar a nota fiscal da compra. “A nossa orientação é que os órgãos de defesa do consumidor, como o Procon, que tem o poder de aplicar multas administrativas, sejam procurados pelos consumidores. Sem a nota fiscal, infelizmente, é mais difícil comprovar a situação”, ressalta.

Ainda segundo Bustamante, a lei federal 1.521, sancionada em 1951 pelo então presidente Getúlio Vargas, que discorre sobre os crimes contra a economia popular, considera preço abusivo quando o comerciante elevar o custo do produto ao consumidor um quinto acima da média praticada pelo mercado – ou seja, por 20%.

Conforme a última pesquisa elaborada pelo site Mercado Mineiro, o preço médio da gasolina comum em BH é de R$ 4,55.

“Esses abusos são crimes contra a ordem econômica e fogem do conceito da lei de oferta e procura. A lei é muito clara quando se é constatado um aumento sem justificativa, enquanto o produto tem a mesma qualidade e o custo de produção continua o mesmo. A lei fala em um quinto. Então considerando a média da gasolina em BH, digamos que o preço de R$ 5,46 em diante já pode configurar um abuso”, destaca o delegado.

A Polícia Civil vai continuar monitorando nos próximos dias os postos que praticarem o abuso nos preços. O consumidor pode denunciar os estabelecimentos ao Procon, à Polícia Militar ou à própria Polícia Civil.

A gerente presa nessa quinta-feira foi ouvida na Delegacia de Defesa do Consumidor (Decon) e depois liberada ao assinar um Termo Circuntanciado de Ocorrência. Já o proprietário do posto no Barreiro foi intimado. Os dois vão responder pelo cirme na Justiça em liberdade.

“Como esse caso trata-se de um crime de menor potencial ofensivo, a gerente e o proprietário vão responder em liberdade por um crime que pode resultar em uma pena que varia entre seis a dois anos”, destaca o delegado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Carros fazem fila quilométrica para abastecer em posto no Santa Efigênia

Governo vai utilizar Exército para liberar estradas

Polícia Civil investiga aumentos abusivos de combustíveis na capital

Os proprietários de postos de combustíveis que aproveitam a greve dos caminhoneiros para vender gasolina a preços abusivos estão na mira da Polícia Civil de Belo Horizonte.

Por meio do Departamento de Investigação de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri), a Polícia Civil prendeu nessa quinta-feira (24) a gerente de um posto na região do Barreiro, que vendia a gasolina a R$ 5,99 o litro.

Em entrevista coletiva, o delegado e chefe do Depatri, Rodrigo Bustamante, explicou nesta sexta-feira (25), que 13 postos foram inspecionados na quinta em diversas regiões da capital. Em muitos deles, o preço da gasolina também foi considerado abusivo, mas como os estabelecimentos já estavam fechados pela falta do combustível não houve flagrante e ninguém foi preso. Os bairros ondem ficam os postos verificados pela polícia não foram divulgados.

O delegado salienta que as pessoas que foram lesadas por qualquer posto em BH devem procurar o Procon e levar a nota fiscal da compra. “A nossa orientação é que os órgãos de defesa do consumidor, como o Procon, que tem o poder de aplicar multas administrativas, sejam procurados pelos consumidores. Sem a nota fiscal, infelizmente, é mais difícil comprovar a situação”, ressalta.

Ainda segundo Bustamante, a lei federal 1.521, sancionada em 1951 pelo então presidente Getúlio Vargas, que discorre sobre os crimes contra a economia popular, considera preço abusivo quando o comerciante elevar o custo do produto ao consumidor um quinto acima da média praticada pelo mercado – ou seja, por 20%.

Conforme a última pesquisa elaborada pelo site Mercado Mineiro, o preço médio da gasolina comum em BH é de R$ 4,55.

“Esses abusos são crimes contra a ordem econômica e fogem do conceito da lei de oferta e procura. A lei é muito clara quando se é constatado um aumento sem justificativa, enquanto o produto tem a mesma qualidade e o custo de produção continua o mesmo. A lei fala em um quinto. Então considerando a média da gasolina em BH, digamos que o preço de R$ 5,46 em diante já pode configurar um abuso”, destaca o delegado.

A Polícia Civil vai continuar monitorando nos próximos dias os postos que praticarem o abuso nos preços. O consumidor pode denunciar os estabelecimentos ao Procon, à Polícia Militar ou à própria Polícia Civil.

A gerente presa nessa quinta-feira foi ouvida na Delegacia de Defesa do Consumidor (Decon) e depois liberada ao assinar um Termo Circuntanciado de Ocorrência. Já o proprietário do posto no Barreiro foi intimado. Os dois vão responder pelo cirme na Justiça em liberdade.

“Como esse caso trata-se de um crime de menor potencial ofensivo, a gerente e o proprietário vão responder em liberdade por um crime que pode resultar em uma pena que varia entre seis a dois anos”, destaca o delegado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Carros fazem fila quilométrica para abastecer em posto no Santa Efigênia

Governo vai utilizar Exército para liberar estradas

Polícia Civil investiga aumentos abusivos de combustíveis na capital

Os proprietários de postos de combustíveis que aproveitam a greve dos caminhoneiros para vender gasolina a preços abusivos estão na mira da Polícia Civil de Belo Horizonte.

Por meio do Departamento de Investigação de Crimes Contra o Patrimônio (Depatri), a Polícia Civil prendeu nessa quinta-feira (24) a gerente de um posto na região do Barreiro, que vendia a gasolina a R$ 5,99 o litro.

Em entrevista coletiva, o delegado e chefe do Depatri, Rodrigo Bustamante, explicou nesta sexta-feira (25), que 13 postos foram inspecionados na quinta em diversas regiões da capital. Em muitos deles, o preço da gasolina também foi considerado abusivo, mas como os estabelecimentos já estavam fechados pela falta do combustível não houve flagrante e ninguém foi preso. Os bairros ondem ficam os postos verificados pela polícia não foram divulgados.

O delegado salienta que as pessoas que foram lesadas por qualquer posto em BH devem procurar o Procon e levar a nota fiscal da compra. “A nossa orientação é que os órgãos de defesa do consumidor, como o Procon, que tem o poder de aplicar multas administrativas, sejam procurados pelos consumidores. Sem a nota fiscal, infelizmente, é mais difícil comprovar a situação”, ressalta.

Ainda segundo Bustamante, a lei federal 1.521, sancionada em 1951 pelo então presidente Getúlio Vargas, que discorre sobre os crimes contra a economia popular, considera preço abusivo quando o comerciante elevar o custo do produto ao consumidor um quinto acima da média praticada pelo mercado – ou seja, por 20%.

Conforme a última pesquisa elaborada pelo site Mercado Mineiro, o preço médio da gasolina comum em BH é de R$ 4,55.

“Esses abusos são crimes contra a ordem econômica e fogem do conceito da lei de oferta e procura. A lei é muito clara quando se é constatado um aumento sem justificativa, enquanto o produto tem a mesma qualidade e o custo de produção continua o mesmo. A lei fala em um quinto. Então considerando a média da gasolina em BH, digamos que o preço de R$ 5,46 em diante já pode configurar um abuso”, destaca o delegado.

A Polícia Civil vai continuar monitorando nos próximos dias os postos que praticarem o abuso nos preços. O consumidor pode denunciar os estabelecimentos ao Procon, à Polícia Militar ou à própria Polícia Civil.

A gerente presa nessa quinta-feira foi ouvida na Delegacia de Defesa do Consumidor (Decon) e depois liberada ao assinar um Termo Circuntanciado de Ocorrência. Já o proprietário do posto no Barreiro foi intimado. Os dois vão responder pelo cirme na Justiça em liberdade.

“Como esse caso trata-se de um crime de menor potencial ofensivo, a gerente e o proprietário vão responder em liberdade por um crime que pode resultar em uma pena que varia entre seis a dois anos”, destaca o delegado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Carros fazem fila quilométrica para abastecer em posto no Santa Efigênia

Governo vai utilizar Exército para liberar estradas