Caminhoneiros e apoiadores fazem manifestação pelas ruas de Capinópolis

O oitavo da greve os caminhoneiros contou com manifestações por todo o Brasil. Em Capinópolis, os manifestantes e apoiadores fizeram uma pacífica caminhada na tarde desta segunda-feira (28) ─uma carreata composta por caminhões e máquinas agrícolas acompanhou o trajeto, que foi percorrido pelas principais ruas da cidade. A Polícia Militar (PM) de Capinópolis deu suporte durante o trajeto.

Muitos apoiadores se vestiram de verde amarelo e a bandeira do Brasil foi flamulada ─ alguns cartazes pedem intervenção militar.

O Sindicato dos Produtores Rurais de Capinópolis apoiou a manifestação dos caminhoneiros.

Em Capinópolis, a manifestação teve início na quarta-feira (23) de maio ─a MGC-154 foi paralisada e apenas veículos pequenos, ambulância e cargas vivas podem seguir o trajeto.

Mesmo após anúncio de redução de R$0,46 no valor do litro de diesel, muitas manifestações continuam pelo Brasil.

CRISE DE ABASTECIMENTO

Na região do Pontal do Triângulo Mineiro, não há gás de cozinha e os postos de combustíveis estão sem álcool e gasolina.

As prateleiras dos supermercados já estão ficando vazias.

GOVERNO FEDERAL

O presidente Michel Temer (MDB) anunciou na noite do último domingo (27) que manterá o desconto de R$ 0,46 em impostos no preço do litro do diesel por 60 dias. “Essa redução corresponde aos valores do Pis/Cofins e da Cide somados.” Inicialmente, o desconto duraria somente 15 dias, mas o governo decidiu atender a reivindicação dos caminhoneiros paralisados. “A partir daí, daqui a dois meses, só haverá reajustes mensais. Assim, cada caminhoneiro poderá planejar melhor seus custos e o valor do frete. É a chamada previsibilidade.”

Temer disse que o desconto será concedido “sem nenhum prejuízo para a Petrobras”, mas não explicou como o prejuízo será evitado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Entra em vigor o reajuste médio de 23,19% na conta de luz dos mineiros

Pimentel reponsabiliza a política de preços da Petrobras pela situação