O dia amanheceu com a estação de metrô do Eldorado, em Contagem, na região metropolitana, movimentada, mas com um número de usuários bem menor do que o comum. Por causa da greve dos caminhoneiros, que completa 8 dias nesta segunda-feira, as prefeituras de Belo Horizonte, Contagem e Betim, precisaram alterar o horário de funcionamento do transporte público para economizar combustível e, ao mesmo tempo, não deixar a população desassistida. 

A auxiliar administrativo Ana Carolina mora em Betim, e precisou sair mais cedo de casa para não atrasar para o trabalho. “Adiantei em uma hora o meu horário de sair. Trabalho na Via Expressa e fiquei com medo de não conseguir trabalhar hoje”, contou. 

Outra estação movimentada é a Diamante, no Barreiro. Apesar de o número de usuários ter diminuído consideravelmente, ainda há filas para quem espera pelas linhas que vão seguir para o centro da capital. 

Continua após a publicidade

Segundo o fiscal de ônibus Flávio Cássio de Oliveira, são esses usuários que mais reclamam dos atrasos e também dos horários reduzidos do transporte. “São as linhas que levam essas pessoas para o centro de BH que mais recebem reclamações. Hoje já está mais tranquilo, pois na semana passada estava tumultuado. A tendência é regularizar mais, já que as pessoas estão cientes da greve e pensam também em outras alternativas para se locomoverem”. 

A administradora Midian Kelly Ferreira usa seis ônibus por dia. “Se parar, eu não sei mais o que fazer. Trabalho no bairro Buritis, e na semana passada, precisei pagar um transporte alternativo por dois dias consecutivos, mas não posso mais arcar com essa despesa”, explicou. 

Midian também enfrente um outro problema: a escola em que o filho dela estuda não está funcionando hoje. “Aí eu preciso contar com a ajuda das pessoas que ficam com ele, mas está muito difícil ter que conciliar tudo isso”.

Greve

Anunciada no ultimo domingo (27), a greve dos metroviários pode agravar ainda mais o cenário atual. Para o técnico de manutenção da CBTU, Bernardo Lima, mais detalhes da paralisação, que está marcada para começar amanhã, vão ser acertados hoje em uma assembleia. “Estamos há dois anos sem reajuste salarial, e este é o momento que a categoria encontrou para protestar e pedir melhores condições de trabalho”, afirmou. 

Os detalhes da greve dos metroviários devem ser divulgados até o fim da tarde desta segunda-feira.
 


Comments are closed.