O motorista mais atento vai perceber: nenhum posto com bandeira BR – revendedor de combustíveis da Petrobras –, em Belo Horizonte e região metropolitana, tem gasolina, álcool ou diesel.

O TEMPO entrou em contato com a Petrobras e também com a BR Distribuidora para entender porque isso aconteceu, após a Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) iniciar a escolta dos caminhões-tanque.

O que acontece

Continua após a publicidade

Apenas em BH, 94 revendedores que fazem parte da rede de postos da estatal estão sem uma gota de combustível desde a semana passada e não têm nenhuma previsão para que a situação seja normalizada.

Já os postos das bandeiras Shell e Ipiranga recebem desde o início da tarde dessa segunda-feira (28), com a escolta da PM, combustíveis oriundos da Refinaria Gabriel Passos (Regap), em Betim.

Ainda inseguros para o transporte

Uma fonte ligada à Petrobras disse que os postos da bandeira BR ainda não foram reabastecidos porque as transportadoras, que são terceirizadas, estariam se sentido “inseguras para realizar o transporte dos combustíveis” durante a greve dos caminhoneiros, mesmo com o apoio da polícia.

A palavra da Petrobras

Procurada, a Petrobras informou que não vai ser posicionar sobre casos específicos como o de Belo Horizonte.

A palavra da PMMG

Já a PM, por meio da sala de imprensa, informou que tem feito a escolta dos caminhões-tanque garantindo a segurança de todos nesse processo.

Sem ocorrências

A corporação ressaltou também que não foi registrada até agora qualquer ocorrência relacionada com o transporte dos caminhões-tanque entre a Regap e os postos de combustíveis.


Comments are closed.