A promessa de circulação normal de ônibus em Belo Horizonte a partir dessa terça-feira (29), após cinco dias de operação reduzida devido à falta de combustível, não se confirmou. O dia foi de longas esperas nos principais corredores da cidade, calçadas cheias de gente e coletivos lotados. A situação foi agravada pela greve dos metroviários: o transporte funcionou por apenas quatro horas, no início da manhã, mas, a partir das 9h30, as estações foram fechadas. A paralisação do metrô deve continuar nesta quarta-feira (30).

O administrador Stéfano Machado, 28, esperou duas horas pelo 8208 (Santa Cruz/Uni-Estoril) na manhã dessa terça-feira (29), no Estoril, na região Oeste da capital. No painel eletrônico do ponto, a informação era que o coletivo passaria a cada 25 minutos. “Simplesmente não passou, e eu voltei para casa. Não sei se chegou depois”, contou. Do apartamento de Machado é possível ver a garagem de ônibus do Estoril, e o local, que apresenta baixa lotação em dias normais, estava cheio de veículos parados. “Durante o dia, geralmente a garagem fica supervazia. Só fica cheia assim de madrugada”, disse. 

O vendedor Leonardo de Castro, 30, está acostumado ao ônibus de 20 em 20 minutos. “Na segunda-feira, fiquei no ponto duas horas e meia. Na terça, foram três horas e 45 minutos esperando. Isso não é normal. Estamos em crise, mas eu desconfio demais. Está prejudicando muito. Eu concordo com a greve, mas, sinceramente, acho que já deu. Não dá mais para viver a rotina que estamos vivendo. Está definitivamente insuportável”, reclamou. 

Continua após a publicidade

O auxiliar de logística Gustavo da Silva, 28, reclamou que os ônibus da linha 633 (Estação Vilarinho/Jardim dos Comerciários) também não estavam circulando com horário de dia útil. “Ninguém explica o motivo para tanto atraso. O ônibus está passando de hora em hora, e as filas estão enormes na estação”, relatou.

Os ônibus de Belo Horizonte passaram a circular em horário reduzido na última quinta-feira, devido ao desabastecimento de combustível provocado pela greve dos caminhoneiros, e voltaram nessa terça-feira (29) – pelo menos em teoria – ao quadro normal.

Segundo a Empresa de Transportes e Trânsito de Belo Horizonte (BHTrans), a operação do transporte coletivo ocorreu normalmente nessa terça-feira (29), mas alguns ônibus foram deslocados para reforçar o atendimento nas estações São Gabriel e Vilarinho, onde houve aumento da demanda em decorrência da paralisação do metrô. Segundo a empresa, o sistema nesta quarta-feira (30) seguirá quadro de horários de dia útil, mas “com adaptações”. Haverá reforço de viagens nas estações que fazem integração com o metrô no horário de pico. 

Já em relação às linhas metropolitanas, o Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros Metropolitano (Sintram) informou que eventuais atrasos ou lotações foram fatos isolados de empresas que ainda estão em processo de normalização do abastecimento e serão apurados.

Metropolitano volta

Os ônibus metropolitanos vão circular com quadro de horário de dia útil nesta quarta-feira (30). A informação foi divulgada por nota da Secretaria de Estado de Transportes e Obras Públicas (Setop). Na quinta-feira, dia 31 de maio, feriado de Corpus Christi, os ônibus circularão com o quadro de horários de domingo. Em Betim, na região metropolitana, todas as linhas vão funcionar com o horário de sábado nesta quarta-feira (30). Já entre quinta-feira e domingo será adotado o quadro de horário de domingo. 


Comments are closed.