PGR pede apuração de crimes contra Segurança Nacional; André Janones nega pedido de intervenção militar

[esq] Wallace Landim ─”Chorão” e André Janones / foto: reprodução facebook

A Procuradoria-Geral da República (PGR) enviou a unidades do Ministério Público Federal em quatro Estados uma notificação para que sejam abertos procedimentos a fim de apurar possíveis crimes contra a Lei de Segurança Nacional durante a paralisação nacional dos caminhoneiros em maio passado ─ a Lei de Segurança Nacional foi sancionada em 1983 pelo presidente João Baptista Figueiredo e prevê pena de 3 a 15 anos de prisão para quem “tentar mudar, com emprego de violência ou grave ameaça, a ordem, o regime vigente ou o Estado de Direito”.

A 2ª Câmara Criminal da PGR pediu que as unidades de São Paulo, Goiás, Rio Grande do Sul e Brusque (SC) investiguem se lideranças dos caminhoneiros infringiram os artigos 17 e 23 da LSN.

O caminhoneiro de Catalão (GO) Wallace Landim, o “Chorão”, filiado ao “Podemos”, e o advogado André Janones, de Ituiutaba (MG), do PSC de Minas, são alvos dos ofícios da PGR.

O artigo 23 prevê pena de 1 a 4 anos de reclusão para quem incitar a “animosidade entre as Forças Armadas ou entre estas e as classes sociais ou as instituições civis”, em referência a manifestantes que aproveitaram o protesto dos caminhoneiros para defender a volta da ditadura militar no país.

Janones disse à reportagem do jornal “Valor” nesta quinta-feira (31) que as suspeitas levantadas contra ele “são mais uma mentira do governo, que falta com a verdade”. “Desafio publicamente alguém encontrar alguma fala minha, algum escrito meu, onde defendi a ‘intervenção militar’. Minha opinião é que demoramos muitos anos para conquistar a democracia e não podemos perdê-la”, disse Janones.

O advogado disse que “defende a renúncia do presidente da República, Michel Temer, o que é bem diferente”.

“É um direito meu, assegurado no artigo 5º da Constituição, pedir a renúncia do presidente. A Constituição me garante a livre manifestação de expressão e de pensamento. Não cometi nenhuma ilegalidade”, disse o advogado.

A reportagem não conseguiu localizar “Chorão” para comentários. Em vídeo divulgado ao longo da semana, “Chorão” disse que nunca pediu a queda do presidente Temer e que sua pauta de reivindicações trata de interesse dos caminhoneiros, em especial os valores dos combustíveis.

Além das notificações sobre supostas infrações à LSN, a PGR também remeteu a 44 unidades do MPF despachos sobre as mais de 700 multas aplicadas pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) desde o início da paralisação e também pedidos de abertura de procedimentos investigatórios.

Segundo a PGR, as investigações terão como foco “crimes federais previstos no Código Penal Brasileiro, como paralisação de trabalho de interesse coletivo (art. 201); prática de atos que expõem a perigo ou tentam impedir ou dificultar navegação marítima, fluvial, aérea ou por qualquer outro meio de transporte público (artigos 261 e 262); atentar contra a segurança ou funcionamento de serviços de utilidade pública como água e luz (art. 265); ou desobedecer a ordem legal de funcionário público (art 330)”.

Com base em informações do jornal Valor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

1º Meetup da Trilha da Inovação do Ecossistema do Pontal aconteceu em Ituiutaba

Dois carros batem de frente no Anel Viário Sul, entrada do Bairro São Jorge