Em quatro dias, Minas teve 60 ataques a ônibus em 29 cidades

Desde o último domingo (3) Minas Gerais teve, pelo menos, 60 ataques a ônibus em 29 cidades do Estado. Os números foram divulgados na manhã desta quarta-feira (6) pela assessoria de imprensa da Polícia Militar.

O número de pessoas presas não será mais informado pela polícia por questões estratégicas, segundo a assessoria. Os ataques foram ordenados pela facção criminosa Primeiro Comando da Capital (PCC).

No final da tarde de ontem (5), o governador Fernando Pimentel havia informado em coletiva de imprensa que havia registros de 51 queimas de veículos ocorridas em 26 municípios. Pouco antes a PM havia contabilizado pelo menos 35 registros de incêndio.

O governador explicou que as polícias Militar, Civil e Federal informaram que os atentados foram feitos por “facções criminosas”, em resposta ao fato de Minas Gerais ter “um dos sistemas penitenciários mais rigorosos do país”.

“Aqui nós não afrouxamos o sistema carcerário para nenhuma organização criminosa. E é por isso que nós estamos pagando este preço, sofrendo ameaças e sendo atacados. A política carcerária em Minas é uma política que cumpre rigorosamente a lei. Estamos tomando todas as providências para coibir esse tipo de crime”, disse o governador.

Pimentel acrescentou que as investigações correm sob sigilo e que agentes à paisana estão sendo colocados em ônibus. Segundo o comandante-geral da Polícia Militar, coronel Helbert Figueiró de Lourdes, a PM já está coletando dados junto às pessoas que foram presas, na tentativa de se chegar “à célula dessas organizações criminosas” responsáveis pelos atentados.

Quadrilha ataca duas agências bancárias em Ibiá

PPS anuncia apoio a Anastasia