O Grupo de Atuação Especial Contra o Crime Organizado (Gaeco) deflagrou, na manhã desta quinta-feira, a 6ª fase da Operação Fênix. Mandados de prisão e de busca e apreensão foram cumpridos nas cidades de Uberlândia, Uberaba e Itumbiara, em Goiás.

A ação contou com o apoio da Polícia Militar (PM), Polícia Rodoviária Federal (PRF), Polícia Civil (PC) e auditores da Receita Federal, além dos promotores de justiça Daniel Marotta Martinez, Adriano Arantes Bozola e Renata de Andrade Santos. A 6ª fase recebeu o nome de Operação Apate, em menção ao espírito da mitologia grega que saiu da Caixa de Pandora e simboliza o dolo, engano e fraude.

Continua após a publicidade

Durante a operação, foram cumpridos 23 mandados de prisão preventiva, um mandado de prisão temporária e 13 mandados de busca e apreensão. Em nota enviada à imprensa, o Gaeco informou que apenas um investigado não foi encontrado e já é considerado foragido.

De acordo com o Gaeco, as investigações apontaram que uma organização criminosa foi criada com o objetivo de desviar cargas transportadas pelas estradas da região. O grupo apurou, pelo menos, o desvio de cinco mercadorias diferentes: sementes de milho, madeiras, balas e coberturas de chocolate, sucos e extrato de tomate.

Para conseguir realizar o desvio das cargas, a organização emitia placas, documentos (no caso, Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo, o CRLV), Carteiras Nacionais de Habilitação (CNH) e Registros de Evento de Defesa Social (REDS) falsificados, de acordo com o Gaeco.

A investigação também apontou que os investigados também cometeram o crime de tráfico de drogas, ao negociarem 160 gramas de pasta base de cocaína.

Sobre a Operação Fênix

A Operação Fênix foi deflagrada pelo Gaeco de Uberlândia no dia 19 de dezembro de 2017 e cumpriu, em sua primeira fase, mais de 200 mandados contra policiais civis, incluindo investigadores, escrivães e delegados, além de advogados em Minas Gerais, Mato Grosso e no Paraná.

Os investigados são suspeitos de corrupção ativa e passiva, associação criminosa, tráfico de drogas, roubo, falsidade ideológica, obstrução de Justiça, fraude processual, prevaricação, lavagem de dinheiro, tortura, entre outros.

Saiba Mais

Mega Operação Fênix prende 136 pessoas, entre elas delegados, escrivães e advogados

Três mandados de prisão são cumpridos em mais uma etapa da Operação Fênix

Ex-delegado, investigador e advogado são presos novamente na Operação Fênix

Advogado é preso durante a 4ª fase da Operação Fênix

Gaeco deflagra 5ª Fase da Operação Fênix; 6 pessoas são presas


Comments are closed.