Perda de poder está por trás da série de atentados do PCC

Minas Gerais está vivendo há uma semana a maior série de atentados de sua história articulada pelo Primeiro Comando da Capital (PCC) – organização criminosa de São Paulo que também atua em presídios mineiros. Mas o que, afinal, a facção quer com a ofensiva? De dentro das cadeias do Sul e do Triângulo Mineiro, onde ocorreu o maior número de ataques, os integrantes exigem melhorias nas condições carcerárias, como o fim da superlotação. Mas eles também exigem regalias que teriam sido cortadas, como visitas nas celas e liberação do sinal de telefonia nas penitenciárias que têm bloqueadores de celular – são cinco entre as 200 unidades.

Em Uberaba, no Triângulo, a facção teria perdido poder e dinheiro com a transferência das visitas das celas para os pátios na Penitenciária Aluizio Ignácio de Oliveira. Segundo um agente penitenciário ouvido pela reportagem, que terá o nome preservado por segurança, antes da mudança, há seis meses, as celas ficavam abertas durante a permanência das famílias, e os presos tinham liberdade para circular. “O crime organizado rifava celas para uso e venda de drogas e prostituição. Com as visitas no pátio, sob a vigilância dos agentes, o crime perdeu essa fonte de dinheiro”, afirmou o agente. Segundo ele, a mesma medida será adotada em Uberlândia nas próximas semanas.

Outra revolta dos presos seria a instalação de bloqueadores de celular em alguns presídios. “O celular lá dentro tem mais valor que droga. Na maioria das penitenciárias, o indivíduo é preso, mas faz contato com os comparsas do lado de fora o tempo todo. Cortar o celular isola o preso”, pontuou outro agente.

Análise. Para o delegado regional de Uberaba, Heli Andrade, o motivo dos ataques ainda não ficou claro. “Fala-se em repressão por causa da morte de um elemento em Goiás, falam da rigidez do sistema carcerário em Minas. O sistema tem que ser rígido mesmo. Se não for, tem muita gente lá dentro que poderia transformar tudo em um barril de pólvora”, ressaltou o delegado.

Para especialistas, no entanto, as regalias são apenas parte das reivindicações dos presos diante de um sistema carcerário problemático. “O único direito fundamental suspenso com a prisão é o de ir e vir. Os demais direitos, como habitação de qualidade, alimentação, educação, trabalho e saúde, devem ser garantidos, até mesmo para possibilitar o retorno dessas pessoas ao convívio social. Hoje, o sistema prisional está longe de ter o básico”, pontuou o presidente da Comissão de Assuntos Carcerários da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) em Minas, Fábio Piló.

O advogado ressalta, porém, que a revolta contra o bloqueador de celular é absurda. “O bloqueador deve existir em todas as unidades, celular não é direito do preso, isso já extrapola o básico”, disse. Segundo ele, para resolver a situação, o governo deve garantir pelo menos o mínimo, já que facções criminosas “ocupam” uma lacuna deixada pelo próprio Estado.

“Elas ocupam esse espaço em razão da inoperância do Estado. Se o Estado investisse um pouco, já mudaria muita coisa, mas não há investimento, pelo contrário, o número de agentes vem caindo a cada dia, e a população carcerária só aumenta, na base de 12% por ano, então, a conta não fecha”, finalizou.

Posição. A Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap) informou, em nota, que todos os presos são tratados de acordo com a lei, sem distinção, e que está buscando resolver os ataques.

Ataques são novidade em MG

Ataques do PCC são novidade em Minas. Até então, a facção agia dentro dos presídios, segundo o sociólogo e pesquisador do Centro de Estudos de Criminalidade e Segurança Pública (Crisp), Victor Neiva.

Para desmobilizar a facção, ele sugere soltar quem não deveria estar detido, segundo a Lei de Execução Penal (7.210/1984) – como presos provisórios (que não foram julgados). “O cenário de superlotação fortalece as organizações criminosas”. (AD/RM)

Minientrevista

Vagner Marques
Historiador e pesquisador do PCC

Os integrantes do PCC querem direitos ou regalias?

No geral, eles (os presos) sabem que estão em condição de cárcere e violação de liberdade. Mas sabem que essa condição é acompanhada da Lei de Execução Penal, que não é cumprida. Isso permite que o PCC tenha legitimidade entre os presos. As “regalias”, se existissem, seriam a ponta do iceberg. A gente está lidando com superlotação, condições de convívio precárias no cárcere, ausência de acompanhamento médico e espancamento.

A atuação do PCC está crescendo em Minas?

A gente não consegue mensurar isso. Os registros que temos são que não há presença do PCC em Belo Horizonte. E a entrada do PCC se dá nas rebarbas, pelo interior do Estado, como o Triângulo Mineiro. Embora o PCC não tenha entrada na capital, há uma pulverização dos atores em várias regiões do Estado. (RM)

PM confirma mais uma tentativa de fuga na penitenciária Nelson Hungria

Agências bancárias sofrem ataque simultâneo no Sul de Minas Gerais