Na manhã desta segunda-feira  (18) não se falava em outro assunto em Engenho do Ribeiro, pequeno distrito de Bom Despacho, com pouco mais de dois mil habitantes, na região Centro-Oeste de Minas: a briga envolvendo um bêbado e um padre durante uma missa na noite do último sábado.

O motivo do desentendimento seria a música alta de um som automotivo, vinda da caminhonete do homem embriagado, estacionada na porta da igreja.

“Está todo mundo querendo saber o que realmente aconteceu. Alguns dizem que o padre apanhou igual condenado depois que foi tirar satisfação com o bêbado. Outros afirmam que ele desviou de todos os socos e pontapés e saiu correndo. De qualquer forma, o que tá na boca do povo é que de uma forma ou de outra o padre já perdoou o agressor”, conta o funcionário de uma mercearia no distrito, que pediu para não ser identificado.

Continua após a publicidade

“A fofoca está comendo solta na cidade. Todo mundo só fala sobre isso. Eu não quero me comprometer com nenhuma versão porque não estava na missa”, completa.

Nem mesmo a Polícia Militar da cidade sabe ao certo o que aconteceu. A corporação explicou que foi acionada por testemunhas depois que a briga já tinha acabado e o padre, de 46 anos, não quis registrar queixa contra o agressor. Conforme os relatos ouvidos pelos militares, o vigário interrompeu a missa pelo menos duas vezes para pedir ao homem para abaixar o som do carro.

“O pessoal que estava na praça disse que o som estava insuportável. Mesmo assim o padre foi lá, todo educado, e falou com ele para abaixar. Mas esse cara estava tão bêbado que nasegunda vez meteu um soco e um chute no padre”, conta uma moradora de Engenho do Ribeiro, que reside perto da igreja, mas não viu a confusão.

“Tá um disse me disse danado e ainda ninguém viu o padre para saber se ele realmente ficou machucado”, encerrou a mulher, desligando o telefone apressadamente.

Segundo a PM, testemunhas disseram que o homem embriagado só acertou o padre de raspão e depois fugiu na caminhonete. Um boletim de ocorrência foi registrado, mas como o vigário não quis fazer uma denúncia contra o agressor, o homem não foi preso.

O nome e a idade dele não foram reveladas. A corporação ainda disse que orientou o padre a acionar a polícia em casos de perturbação como esse, antes de tentar resolver o problema por conta própria.

A reportagem tentou falar com o padre, por telefone, mas teve o pedido de entrevista negado pela paróquia de Bom Despacho, responsável pela igreja em Engenho do Ribeiro. Uma funcionária da igreja confirmou que houve um desentendimento durante a missa por causa do som alto de um carro, mas disse que o padre está bem e perdoou o agressor.


Comments are closed.