Uma menina de apenas oito anos teve os cachos do cabelo alisados e cortados pela madrasta, neste fim de semana, em Governador Valadares, no Rio Doce. A mãe da menina, de 29 anos, disse que não consentiu o corte de cabelo e nem o alisamento e contou que a filha ficou muito chateada com o ocorrido.

Nesta segunda-feira (2) a mãe postou o caso em sua página do Facebook e mostrou várias fotos da menina chorando por estar chateada com o novo cabelo. O caso ganhou repercussão na internet.

Segundo a mãe, a menina não entendeu direito o que a madrasta tinha proposto e acabou aceitando. Só depois de ver que tinha perdido seus cachos que ela começou a chorar.

Continua após a publicidade

“Na sexta ela foi pra casa do pai dela com os cabelos lavados e penteados para que ninguém tivesse o trabalho de encostar no cabelo dela para pentear. Pois bem, ontem (no domingo) eu recebo um telefonema do pai me comunicando que a mulher dele cortou os cabelos da minha filha sem a minha permissão e que foi só as pontinhas. Oi? Pontinhas ? Ela cortou o cabelo dela mais da metade e alisou. Quando ela molhar o cabelo vai encolher mais ainda”, reclamou a mulher.

Nesta segunda-feira (2) a criança acordou e disse que não queria ir para a escola com o novo cabelo. “Ela ainda foi vítima de piadinhas. Alguns colegas de classe disseram que parecia que ela tinha tomado um choque. Ela ficou chateada e chorou muito. Conversei com a diretora que disse que ela e a professora não vão permitir que isso aconteça mais”, relatou a mãe da criança.

Amulher disse que ouviu de muita gente que cabelo cresce, mas segundo ela o problema é mesmo a decisão da menina que não foi respeitada. “Cresce, porém é direito dela se sentir bem com a identidade dela ,suas raízes, sua história isso não pode ser violado por vaidade nenhuma, a menos que a mesma queira e isso eu tenho a convicção que ela não quis.Quem acompanha a minha filha nas redes sociais sabe que ela desde pequenininha é uma criança empoderada e hoje nem dormi direito pois ela já chegou aqui em casa com uma baixa estima”, contou a mãe pelas redes sociais.

 Ainda de acordo com a mãe, em uma outra ocasião a menina já tinha sido vítima de preconceito por parte da madrasta que em uma chamada de vídeo da menina com o pai mandou que a pequena prendesse o cabelo.

“Na hora juntamente com a minha mãe achamos ruim dela ter dito isso, mas fiquei na minha e não disse nada .Fiz umas duas Postagens recentes dizendo que ela é uma princesa que não usa coroa e sim cachos e um vídeo onde eu dizia que ela iria usar os cabelos soltos onde fosse da vontade dela”, escreveu a mãe no Facebook.

Pelo Facebook a postagem já teve cerca de 340 mil curtidas e cerca de 105 mil compartilhamentos. Nos comentários, os usuários da rede social se revoltaram com a atitude da madrasta e reclamaram da atitude da mulher a acusando de racismo.

“Que absurdo, o cabelo dela era perfeito, super lindo, processa essa racista, sua filha é menor de idade nada pode ser feito sem o seu consentimento. Ela deve ter coagido a menina que acabou permitindo que ela fizesse esse estrago no cabelo dela. Oh mulher tenta fazer um tratamento para que o cachos dela voltem ao que eram antes. Tô revoltada”

Mãe não vai processar pai e madrasta

A mãe contou que na versão do pai foi a filha que pediu para cortar o cabelo. “Eu não acredito nessa versão, porque ela sempre gostou muito do cabelo dela do jeito que é. Eu e  minha mãe sempre tivemos cabelos lisos, mas eu a ensinei minha filha a respeitar a identidade dela e a gostar do cabelo crespo. Se ela quisesse alisar o cabelo ela teria me falado”, relata a mãe.

Mesmo assim ela disse que não pretende processar o pai da criança e nem a madrasta para não prejudicar a criança. “Ela já chegou aqui pedindo para que eu não brigasse com o pai dela. Eu não quero vingança só o bem da minha filha”, disse. A mãe disse que procurou o conselho tutelar e conseguiu um atendimento psicológico para a menina. “Agora o mais importante é cuidar da cabeça dela para que isso não vire um trauma”, complementou.

A reportagem de O TEMPO procurou as polícias Militar e Civil que informaram que nenhum boletim de ocorrência (BO) foi registrado pela mãe da criança. Se ela fizer uma representação sobre o caso ele pode ser considerado injúria ou lesão corporal, mas vai depender do relato da vítima e se houve ou não autorização do corte de cabelo pelo pai que é responsável legal pela menina.

Solidariedade tomou conta nas redes sociais

 Depois do episódio ser postado nas redes sociais, donos de salão e de produtos de beleza começaram a procurar a criança para oferecer o serviço de tirar o alisamento e devolver os cachos para a pequena.

“Estou conversando bastante com ela para ver o que ela quer porque não quero criar mais problemas. Se daqui um tempo ela decidir vamos tirar o alisamento, mas agora vou esperar um pouco. Está tudo muito conturbado”, considerou.

A mãe disse que está muito grata pela solidariedade das pessoas e que espera que o episódio dê mais forças para a que a filha se sinta cada vez mais empoderada e aceite seu cabelo crespo vendo que ele é lindo. “A gente sabe que voltar aos cachos será um processo, vou esperar ela estar preparada para passar por isso”, concluiu a mãe.


Comments are closed.