Local onde ponte foi removida / foto: Tudo Em Dia

A remoção de uma pequena ponte de madeira sobre o córrego Olaria na área urbana em Capinópolis, vem causando polêmica. A ponte fazia a ligação entre os bairros Wagner de Paula e Barbosa II.

Segundo um morador da localidade, ouvido pelo Tudo Em Dia, a travessia era de grande utilidade, visto que os moradores não tinham a necessidade de transitar às margens da rodovia MG226 para ter acesso aos Bairros Alvoradas I, II  e III, Portal dos Ipês e às ‘Chácaras do Neguta’.

“A ponte é muito importante, pois facilita a vida dos moradores do bairro”, completou o morador que não será identificado.

Continua após a publicidade

Recentemente, uma mulher — que seguia rumo à igreja no bairro Alvorada— caiu dentro do córrego ao tentar saltá-lo.

A ponte — que foi construída com duas pranchas de madeira — foi removida do local. Segundo informado ao Tudo Em Dia, uma discussão entre um homem que passava constantemente pelo local e um morador, teria motivado a remoção da passarela.

Motociclistas também passavam pela ponte. Ainda há relatos que alguns — para evitar o meio-fio —subiam na calçada de uma das casas que fica ao lado, afim de chegarem até a ponte.

Área de preservação permanente / foto: Tudo Em Dia

O local é uma Área de Preservação Permanente — APP—, no entanto, ocupa uma exígua faixa entre os dois bairros. Uma obra de engenharia feita durante a construção do bairro Barbosa II, leva grande volume de água das chuvas ao Córrego Olaria. O vasto volume de água durante as chuvas, causam constantes alagamentos nas proximidades da antiga ‘Chácara do Balaieiro’.

Segundo o prefeito de Capinópolis, Cleidimar Zanotto, por se tratar de uma APP, o caso está sendo analisado pelo departamento jurídico do município. “Temos um projeto de construir uma travessia que comporte até o trânsito de veículos, mas tudo está sendo analisado pelo departamento jurídico, com o objetivo de que nada seja construído em desconformidade com a Lei”, disse o prefeito ao Tudo Em Dia.

Ainda segundo o prefeito Cleidimar, o projeto já foi encaminhado à Belo Horizonte, porém, a construção dependerá da viabilidade legal e de liberação de recursos financeiros.

O Tudo Em Dia consultou o Polícia Militar de Meio Ambiente para saber sobre a possibilidade de construção da nova passarela no local. A PM informou que a construção é permitida, desde que, devidamente autorizada pelos órgãos competentes, como o Instituto Estadual de Florestas — IEF.

Uma das medidas com menores impactos, seria a construção da passarela —caso seja a liberada—, nas proximidades da antiga ‘Chácara do Balaieiro’. Porém, o local sofre com inundações em períodos chuvosos.  As famílias que moravam na referida chácara foram realocados.


Comments are closed.