Levantamento realizado pela Cemig apontou que 20 mil clientes ficaram sem energia elétrica no primeiro semestre de 2018, após incêndios atingirem a rede elétrica. No período, foram registradas 77 interrupções na área de concessão da empresa, sendo a maioria na Região Metropolitana de Belo Horizonte, no Sul e no Norte de Minas.

No primeiro semestre de 2017, foram registradas 95 ocorrências, afetando mais de 41 mil usuários. Apesar da queda no número de interrupções em relação ao ano anterior, é preciso ficar atento, já que no segundo semestre as queimadas se intensificam, devido ao clima seco e às altas temperaturas.

Números do Triângulo:

2017 – 1º semestre2018 – 1º semestre
Quantidade OcorrênciasClientes AfetadosQuantidade OcorrênciasClientes Afetados
9677892
Continua após a publicidade

Para minimizar os possíveis danos provocados pelo fogo, a Cemig realiza anualmente ações preventivas, investindo na limpeza de faixas de servidão, com a poda de árvores e arbustos, remoção da vegetação ao redor das torres e aplicação de pintura antichamas nos postes de madeira em locais de risco.

Contudo, de acordo com o engenheiro eletricista Demétrio Aguiar, da Cemig, essas ações não são suficientes, uma vez que a maioria dos incêndios é decorrente de práticas humanas impróprias ou imprudentes. “A principal causa de incêndios florestais em Minas Gerais são as queimadas preparatórias de pastos e de terrenos para plantio, que acabam fugindo do controle dos agricultores e se espalham rapidamente, especialmente em dias de altas temperaturas e baixa umidade do ar. Além disso, o abrasamento de lixo e o descarte de cigarros acesos na beira das estradas também ocasionam queimadas em nosso estado”, explica o especialista.

Ainda segundo Demétrio, ao atingir redes de distribuição de energia, os incêndios podem provocar danos aos postes e, consequentemente, destruição dessas estruturas e de cabos condutores. Nessas situações, é necessário substituir os equipamentos, atividade que demanda tempo e provoca a demora na religação dos circuitos atingidos. “Há também o risco de curtos-circuitos em linhas de transmissão e de distribuição de energia elétrica, causados pelo aquecimento das proximidades dos cabos condutores”, ressalta o engenheiro.

Além dos danos ao setor elétrico, as queimadas prejudicam a segurança dos motoristas, que têm a visibilidade das pistas comprometida devido à fumaça e, no ambiente rural, reduzem a produtividade nas áreas de cultivo atingidas pelo fogo. Entre os diversos problemas ambientais, vale destacar o impacto na fauna, já que as queimadas florestais destroem o habitat natural e, muitas vezes, matam os animais impossibilitados de fuga.

Autorização

 Para a realização de queimadas, é necessária a autorização do Instituto Estadual de Floresta (IEF) (0800 283 2323), do Ibama ou de órgãos competentes. Se autorizada, a prática deve ser feita de forma controlada, com a construção de aceiros e barreiras que impeçam a propagação das chamas. O aceiro pode ser feito por meio de valas ou da limpeza do terreno, de modo a obstruir a passagem do fogo.

Dicas importantes

Algumas medidas podem conter os riscos. Segundo Demétrio, as pessoas devem evitar jogar pontas de cigarro no chão, especialmente perto de qualquer tipo de vegetação, e apagar com água o resto do fogo em acampamentos, para evitar que o vento leve as brasas para a mata.

Também não se deve realizar queimadas a menos de 15 metros de rodovias, ferrovias e do limite das faixas de segurança das linhas de transmissão e distribuição de energia elétrica.

A Cemig lembra que é proibido o uso de fogo em áreas de reservas ecológicas, preservação permanente e parques florestais. De acordo com a legislação, o indivíduo que cometer crime ambiental terá que responder a processo, com possibilidade de prisão, e deverá pagar multa pelo dano causado.

Em caso de incêndios, o Corpo de Bombeiros (193) ou as Brigadas Voluntárias de Combate a Incêndios Florestais devem ser avisados o mais depressa possível.


Comments are closed.