As informações são do jornal O Tempo

Adélio Bispo (Foto: reprodução/internet)

Pouco mais de um mês após o atentado contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL) em Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, a principal linha de investigação da Polícia Federal (PF) é que o PCC, maior facção criminosa do país, pode estar por trás de Adélio Bispo de Oliveira, autor da facada no presidenciável. De acordo com pessoas próximas do inquérito 503/2018, que apura se Adélio foi ou está sendo ajudado, há indícios “fortíssimos” de que a organização criminosa esteja dando auxílio ao criminoso. Entre os indícios estão vínculos de amizades, as atividades dos advogados que atendem o réu, o histórico de personagens envolvidos e até mesmo o discurso adotado por Bolsonaro.

Uma das principais suspeitas dos investigadores, comandados pelo delegado Rodrigo Morais, recai sobre Klayton Ramos de Souza. Membro do PCC, o “Veim”, como é chamado pela facção, é amigo de Adélio. Os dois se conheceram em Montes Claros, onde ambos nasceram e cresceram. Até este ano, ainda mantinham contato por meio de redes sociais. “Veim” tem passagens por homicídio e já cumpriu pena no Presídio Regional de Montes Claros.

Continua após a publicidade

Em Minas, três unidades prisionais abrigam membros do PCC: a Nelson Hungria, em Contagem, o Presídio Professor Jacy de Assis, em Uberlândia, e o de Montes Claros. Atualmente, Souza vive em Campinas (SP), cidade apontada como um dos centros de comando da facção.

A investigação foi iniciada no começo deste mês. Antes, um outro inquérito foi aberto no dia do atentado. Nele, a PF chegou à conclusão de que Adélio agiu sozinho no momento do atentado, em Juiz de Fora – dezenas de imagens e denúncias enviadas por internautas foram analisadas, inclusive com a participação da inteligência do Exército no caso. Depois disso, uma nova apuração foi aberta pela equipe para verificar se há, de fato, uma organização atuando junto do criminoso.

No dia do atentado, uma cena chamou a atenção dos investigadores. Quando Adélio chegou na delegacia após ser preso em flagrante pela facada, o advogado Pedro Augusto de Lima Felipe e Possa já se encontrava na unidade. Inicialmente, o criminoso recusou ser atendido pelo jurista. Possa chegou a tentar convencer Adélio de que havia sido enviado pela mãe do autor da facada, mas Adélio riu: a parente faleceu em 2012. Depois, segundo testemunhas, os dois se reuniram em separado e, então, Possa passou a atuar como defensor no caso.

A atuação dos quatro defensores de Adélio também intriga. “É uma banca de advogados muito cara e que tem feito uma defesa exemplar de Adélio. Até psiquiatra eles estão bancando”, conta um interlocutor ligado à apuração. Na semana retrasada, os quatro foram intimados pela investigação, mas nenhum compareceu.

Além de Possa, participam da defesa Zanone Manuel de Oliveira Júnior, Marcelo Manoel da Costa e Fernando Costa Oliveira Magalhães. O histórico de clientes de Magalhães, aliás, é curioso e é citado na investigação. Ele defendeu, nos últimos anos, pelo menos três membros do PCC que foram condenados em Minas: Anderson Francisco Ferreira Pereira, André Luiz Pereira, conhecido como “Dezinho”, e José Geraldo Soares dos Santos Júnior, o “Vá”.

O principal defensor de Adélio é Zanone Manuel de Oliveira Júnior, conhecido por atuar em casos de repercussão. Ele defendeu, por exemplo, Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, amigo do goleiro Bruno e condenado por matar Eliza Samudio. Segundo dados da Receita Federal, o advogado é dono de duas empresas que estão na mira da investigação: um hotel e uma locadora de veículos em Contagem. Não há indícios de crimes nos estabelecimentos, mas esse tipo de comércio, segundo especialistas, aparece com frequência em casos de lavagem de dinheiro.

Defensores negam elo com o grupo

O advogado Fernando Magalhães disse que as suspeitas são absurdas. “Os três clientes citados nem sequer sabem da existência um do outro. Nenhum deles conhece o Adélio, além de negarem ser integrantes de qualquer facção”, declarou.

Magalhães negou ser advogado do PCC e afirmou que “eventualmente” pega “clientes ditos de facção”.

Já Zanone Júnior negou irregularidades em suas empresas. “Vão revirar minha vida de cabeça pra baixo, porque estou advogando pra ele (Adélio)”.

Zanone afirmou também que o não comparecimento dos advogados na PF foi por ordem da OAB. “A intimação era para saber quem estava pagando a gente. A OAB não deixou a gente ir, porque é um código de ética, a OAB ameaçou abrir um processo ético-disciplinar caso a gente revelasse alguma coisa”, explicou. A reportagem não conseguiu contato com Pedro Possa.


Comments are closed.