Apenas 35,78% do esgoto é tratado em Minas Gerais

Leonardo Quintão (Foto: Reprodução)
Leonardo Quintão (Foto: Reprodução)

Dados do Instituto Trata Brasil revelam que dos 71,88% de esgoto coletado em Minas Gerais, apenas 35,78% é tratado. Além disso, enquanto a média nacional de investimento em saneamento é R$ 188,17 por habitante, o estado investiu R$ 175,11 no ano passado.

No Brasil, cerca de 100 milhões de pessoas não têm coleta de esgoto e apenas 44,92% das redes são tratadas. Pedro Scazufca, economista e consultor do Instituto Trata Brasil, avalia que a falta de plano municipal de saneamento traz sérias consequências para a população.

“Essa situação leva a uma série de problemas, inclusive em termos de saúde para a população. Falta de saneamento leva a um aumento da incidência de doenças de veiculação hídrica”, alerta.

Os números refletem um problema histórico do país. Para tentar reverter esse quadro, deputados e senadores discutem um projeto de lei (PL 10.996/2018) que pretende alterar o Marco Legal do Saneamento Básico. A matéria pretende atribuir à Agência Nacional de Águas competência para editar normas sobre o serviço de saneamento no país.

Para o deputado federal Leonardo Quintão (MDB-MG), a aprovação do PL vai trazer mais qualidade no serviço prestado à população.

“Trazendo as decisões para apenas uma agência, vai facilitar a padronização das decisões em torno do saneamento básico no Brasil”, acredita. Ele acrescenta que “com essa abertura, há total interesse da iniciativa privada de estar participando das licitações e de estar investindo no Brasil”.

Pedro Scazufca avalia que a aprovação da proposta contribui para o aumento de investimentos. “É importante que o setor seja capaz de mobilizar maiores investimentos e, com isso, seguir nesse rumo de universalização dos serviços”, completa.

A ideia do autor do projeto, deputado Hildo Rocha (MDB-MA), é votar a pauta ainda no primeiro semestre de 2019. Para isso, a Câmara deve iniciar a discussão do tema em uma comissão especial, o que agiliza o trâmite do projeto de lei. Se aprovado, poderá seguir direto para votação no Plenário da Casa.

Algar busca startups da região para programa de inovação

Multa do FGTS pode ter acelerado demissões durante a crise, afirma estudo