Polícia Civil realiza megaoperação de combate ao PCC em Minas Gerais

São cumpridos 54 mandados em várias cidades do Estado de Minas

Polícia Civil faz operação de combate ao crime organizado Foto: Fred Magno/O TEMPO
Polícia Civil faz operação de combate ao crime organizado
Foto: Fred Magno/O TEMPO

A Polícia Civil realizou na manhã desta terça-feira (19) de março, a primeira fase da megaoperação contra facção criminosa denominada ‘Primeiro Comando da Capital — PCC’.

O objetivo é cumprir 54 mandados, entre, prisão e busca e apreensão nas cidades de Uberaba, Passos, Campo Florido, ouro fino e Três Corações, além de outros estados, como São Paulo, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Norte.

A organização criminosa vem se estabelecendo no estado de Minas Gerais há mais de dez anos, principalmente através da difusão de sua ideologia dentro do sistema prisional. Desde então o número de integrantes vem aumentando exponencialmente. Ações criminosas organizadas pelo PCC, principalmente ligadas ao tráfico ilícito de drogas, grandes roubos e lavagem de dinheiro, estão cada vez mais audaciosas e mostram a dimensão da Organização Criminosa que, nos dias de hoje, já sabemos, possui braços em todos os estados da federação e em diversos outros países.

            De acordo com a última contagem detectada durante as investigações o PCC conta com mais de 2200 integrantes somente em Minas Gerais, distribuídos em quase todos os presídios e cadeias públicas do estado, bem como em liberdade nos mais diversos municípios mineiros. Diante da necessidade de uma ação efetiva no combate à organização criminosa, a Delegacia Especializada em Repressão às Ações Criminosas Organizadas – DRACO – mantém uma equipe dedicada ao mapeamento e acompanhamento das ações criminosas praticadas pelo PCC em nosso estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

(esq) Letícia Lima e Ana Carolina (Foto: Divulgação)

Letícia Lima fala pela 1ª vez sobre término com Ana Carolina

LUIZ HUMBERTO CARNEIRO - ALMG

Sugestões sobre reforma serão levadas em conta, garante líder do governo