Tv Globo lê no JN nota de repúdio a fala de Bolsonaro sobre jornalista da emissora

Quando criticava severamente o governo Lula e Dilma, Míriam Leitão era admirada pela extrema direita

Miriam Leitão (Foto: Reprodução GloboNews)
Miriam Leitão (Foto: Reprodução GloboNews)

A TV Globo divulgou nesta sexta-feira (19), ao fim do Jornal Nacional, uma “nota de repúdio aos ataques do presidente Jair Bolsonaro (PSL)” após as falas dele, mais cedo, em relação à jornalista Míriam Leitão.

Durante um café da manhã com jornalistas estrangeiros, Bolsonaro afirmou que Leitão integrava a luta armada durante a Ditadura Militar e questionou se a jornalista havia mesmo sofrido tortura durante o regime.

“Ela estava indo para a guerrilha do Araguaia quando foi presa em Vitória. E depois [Míriam] conta um drama todo, mentiroso, que teria sido torturada, sofreu abuso etc. Mentira. Mentira”, disse o presidente.

A nota da rede de televisão afirmou que a jornalista nunca fez parte da luta armada, que ela integrou o Partido Comunista do Brasil (PCdoB) e trabalhou com propaganda.

“Ela foi presa e torturada grávida, aos 19 anos, quando estava detida no 38º Batalhão de Infantaria em Vitória”, seguiu a nota, lida ao vivo pela apresentadora Renata Vasconcellos.

“No auge da Ditadura de 64, em 1973, Míriam denunciou a tortura perante a primeira auditoria da Aeronáutica no Rio, enfrentando todos os riscos que isso representava na época. Narrou seu sofrimento aos militares e ao juiz auditor, e esse relato consta nos autos para quem quiser pesquisar. A jornalista foi julgada e absolvida de todas as acusações formuladas contra ela pela Ditadura. A absolvição se deu em todas as instâncias”, continuou Vasconcellos.

Veja também: Bolsonaro chama nordestinos de ‘paraíbas’UOL Notícias

Participação em evento em SC cancelada

A TV Globo relembrou que Míriam e o marido, Sérgio Abranches, tiveram participação cancelada na 13ª Feira do Livro de Jaraguá do Sul, em Santa Catarina, após a organização do evento receber uma petição contrária à presença deles por causa do “viés ideológico e posicionamento”.

“Em redes sociais, foi organizado um movimento de ataques e insultos à jornalista, cuja postura, de absoluta independência, foi tratada como um posicionamento político de esquerda e de oposição ao governo Bolsonaro”, diz o texto elaborado pela emissora.

A Globo também lembrou que Míriam Leitão foi criticada por apoiadores dos ex-presidentes Lula e Dilma (PT) e disse que o fato demonstra a posição “independente” da jornalista.

Bolsonaro atacou a jornalista em 2017

Os ataques do presidente Jair Bolsonaro à jornalista remontam ainda há época como deputado federal. Em 2017, ele disse que o lugar de Leitão era no “chiqueiro da história”.

“Miriam Leitão, a marxista de ontem, continua a mesma. Se eu chegar lá vai querer lamber minhas botas, como fez com todos que chegaram ao Poder”, escreveu em seu Twitter em novembro daquele ano.

Nota divulgada pela TV Globo

Leia, na íntegra, a nota da TV Globo sobre a fala do presidente:

“O presidente recebeu hoje um grupo de jornalistas estrangeiros para um café da manhã. Os jornalistas cobraram do presidente um comentário sobre o ato de intolerância de que foi vítima a jornalista Miriam Leitão no fim de semana. Miriam e o marido, Sérgio Abranches, participariam de uma feira literária em Jaraguá do Sul, Santa Catarina. Em redes sociais, foi organizado um movimento de ataques e insultos à jornalista, cuja postura, de absoluta independência, foi tratada como um posicionamento político de esquerda e de oposição ao governo Bolsonaro. Em resposta aos correspondentes internacionais, o presidente Jair Bolsonaro disse que sempre foi a favor da liberdade de imprensa, e que críticas devem ser aceitas numa democracia. Mas, depois, afirmou que Miriam Leitão foi presa quando estava indo para a guerrilha do Araguaia, para tentar impor uma ditadura no Brasil. E repetiu, duas vezes, que Miriam mentiu sobre ter sido torturada e vítima de abuso em instalações militares durante a Ditadura Militar que governava o país então. Essas afirmações do presidente causam profunda indignação e merecem absoluto repúdio. Em defesa da verdade histórica, e da honra da jornalista Miriam Leitão, é preciso dizer com todas as letras que não é a jornalista quem mente. Miriam Leitão nunca participou ou quis participar da luta armada. À época militante do PCdoB, Miriam atuou em atividades de propaganda. Ela foi presa e torturada grávida, aos 19 anos, quando estava detida no 38º Batalhão de Infantaria em Vitória. No auge da Ditadura de 64, em 1973, Miriam denunciou a tortura perante a primeira auditoria da Aeronáutica no Rio, enfrentando todos os riscos que isso representava na época. Narrou seu sofrimento aos militares e ao juiz auditor, e esse relato consta nos autos para quem quiser pesquisar. A jornalista foi julgada e absolvida de todas as acusações formuladas contra ela pela Ditadura. A absolvição se deu em todas as instâncias. É importante ressaltar que Miriam Leitão, ao longo dos governos do Partido dos Trabalhadores, foi também alvo constante de ataques. Não questionaram como agora o sofrimento por qual passou na Ditadura, mas a ofenderam em sua honra pessoal e profissional. Em discursos do ex-presidente Lula em palanques, e até mesmo a bordo de avião de carreira, quando Miriam Leitão ouviu insultos e ofensas por parte de militantes petistas que então lhe chamavam de neoliberal e direitista. Esses insultos, no passado, como agora, em sinais trocados, demonstram a maior das virtudes de Miriam como profissional: a independência em relação a governos, sejam de esquerda, de direita ou de qualquer tipo. A Globo aplaude essa independência, pedra de toque do jornalismo profissional e se solidariza com Miriam Leitão.”

Sessão ordinária da Câmara Municipal de Capinópolis (Foto: Paulo Braga)

Com apoio da Câmara Municipal, sistema ‘Olho Vivo’ será implantado em Capinópolis

Obelisco é inaugurado no trevo de acesso à Capinópolis (Foto: Paulo Braga/Tudo Em Dia)

Kalil Ahmad toma posse como presidente do Lions em Capinópolis